Escolha uma Página

“O Brasil está mudando de Patamar no que diz respeito a Defesa. Não somos mais meros compradores nós agora recebemos e internalizamos tecnologia. Estes helicópteros fortalecem a aviação de asas rotativas.” Com essas palavras o Ministro da Defesa Nelson Jobim batizou os recém adquiridos Helicópteros MI-35 da Força Aérea Brasileira, que, nesse sábado (17) passaram a ser chamados de A-H2 Sabre. As novas aeronaves vão ficar sediadas na Base Aérea de Porto Velho, em Rondônia, onde serão utilizadas pelo 2º Esquadrão do 8º Grupo de Aviação (2º/8ºGAV) Esquadrão Poti.

A chegada do Sabre a Força Aérea Brasileira quebra uma série de paradigmas. É a primeira aeronave militar russa adquirida pelo Brasil. E é também o primeiro helicóptero do acervo da FAB que foi concebido especificamente para a guerra. O helicóptero de ataque utilizado pela FAB, era o H-50 Esquilo, uma aeronave de uso civil, adaptada para funções militares. O Sabre é diferente, porque já nasceu com DNA militar.

A nova arma da FAB possui uma série de recursos que os pilotos de helicóptero brasileiros, até hoje, só tinham visto de longe. A aeronave tem blindagem, canhão orgânico de 23 milimetros, de cano duplo, montado em uma torre móvel frontal, capacidade de lançamento de foguetes e mísseis ar-superfície, supressor de calor que dificulta a visão da aeronave por infra vermelho e uma série de contra-medidas. “Eu chego a ficar arrepiado”, diz o Tenente Leonardo Bezerra Salim, um dos pilotos do Esquadrão Poti que já está operando com as novas aeronaves. “É um salto operacional esperado por gerações de pilotos de helicóptero da FAB”, diz Salim.

Os Sabres vão reforçar a capacidade de pronta resposta e a presença da FAB na Amazônia Ocidental. Uma região estratégica para o Pais. Eles irão atuar no Policiamento do Espaço Aéreo da região e ajudar a coibir ilícitos na área da fronteira. Para operar essas aeronaves o Comando da Aeronáutica iniciou a transferência do Esquadrão Poti, da cidade de Recife, no litoral nordeste do País, para a Base Aérea de Porto Velho, no coração da Amazônia.
“Não venha ninguém dizer como o Brasil deve tratar a Amazônia. Nós protegeremos a Amazônia para nós e para o mundo, e que o mundo saiba disso”, afirmou o ministro Jobim. O Esquadrão Poti e seus novíssimos AH-2 Sabre serão poderosos instrumentos dessa proteção. E a partir de agora estão prontos para enfrentar qualquer ameaça.
DEFESA NET
Skip to content