Escolha uma Página

O texto abaixo retrata muito bem o que vai no coração dos cidadãos-soldados, que se despiram da farda, mas não de seu amor pelo Exército. BRASIL!

AOS GAROTOS DA RUA DA FONTE
Cel R1 INF Roberto MISCOW Filho
“Ontem me aconteceu um fato emocionante. Viajava eu de pé em um carro do metrô abarrotado, cumprindo aquela rotina de velho de buscar guias para exames, resultados, etc. quando ouço atrás de mim, um ensaio tímido de uma canção conhecida: És a nobre Infantaria das armas a rainha, por ti daria a vida minha…
Voltei-me e vi um grupo de cinco jovens, evidentemente “recos”, trauteando a canção do seu quartel. Não resisti e entrei com vigor no coro: … e a glória prometida nos campos de batalha, está contigo, ante o inimigo pelo fogo da metralha.
Os jovens me olharam com certa surpresa e comentaram entre si: Ele sabe, o cara sabe… E continuaram comigo: Brasil te darei com ardor, toda a seiva e vigor que em meu peito se encerra…
Eu dei corda, aumentei o volume, e logo estávamos cantando a todo o volume a Canção da Infantaria. É claro que criamos curiosidade no nosso entorno, mas continuamos decididos: “mostremos que em nossa Pátria temos valor imenso no intenso da luta”. Logo notei que no fundo do vagão, com entusiasmo dois senhores entraram no coro: “És a nobre Infantaria…”
Quando terminamos com um vibrante “hurra”, alguns passageiros ensaiaram palmas. Já estávamos chegando à Estação da Sé. Um dos rapazes se dirigiu a mim e perguntou: o senhor foi do Exército? E antes que eu respondesse, ele acrescentou o seu ponto-de-vista: “Eu gosto, eu estou feliz”. E, então, eu respondi: Eu sou militar. Eu posso ter saído do Exército, mas o Exército não saiu de mim.
Gostaria de ter falado mais aos rapazes, gostaria de aconselhá-los a sei lá o que, mas mal nos despedimos. A multidão nos engolfou e nos jogou na escada rolante. Com um sorriso nos lábios, fui buscar os meus exames: O Brasil tem conserto!!!” 
Skip to content