Escolha uma Página
MÁRCIO FALCÃO
da Folha Online, em Brasília
O ministro Nelson Jobim (Defesa) reafirmou nesta segunda-feira que a proposta da Boeing para a licitação aberta pelo governo para a compra de 36 caças enfrenta problemas devido à falta de tradição dos Estados Unidos com transferência de tecnologia. Jobim afirmou que o governo está atrás de capacitação tecnológica e não de um objeto.
O ministro disse que a proposta norte-americana evoluiu nessa questão, mas que o governo ainda avalia o que as três empresas que participam da disputa classificam de capacitação tecnológica. Estão na disputa F-18 Super Hornet da Boeing, o Gripen NG da sueca Saab e o Rafale da francesa Dassault.
“O que eu vi em determinado momento é que os Estados Unidos mudaram. É que eles fariam transferência necessária de tecnologia. Os franceses fariam transferência irrestrita de tecnologia. O que eu quero saber é o que significa em termos de proposta essa transferência de tecnologia e que está sendo examinado pela força aérea, que dará as informações necessárias.
Questionado se alguma empresa teria reduzido o valor da proposta, Jobim ironizou e disse que o governo não está comprando jujuba. “Se o primeiro elemento [aeronave] a gente ver que não presta, se a força aérea disser que não presta, não vamos nem analisar. Vencido essa etapa, nós vamos analisar os outros requisitos. Agora, preço, não adianta oferecer por um real e não oferecer transferência de tecnologia. Não faz sentido, não estamos comprando jujuba”, disse. Leia mais.
Skip to content