Apenas 10% do efetivo das Forças Armadas do País é composto por mulheres

Fernando Frazão (ABr)

Maior disparidade está no Exército, onde apenas 6,3% dos militares da ativa são mulheres; Ministério da Defesa avalia liberar alistamento feminino não obrigatório
Gabriel de Sousa
BRASÍLIA – O serviço militar no País é majoritariamente masculino. De acordo com dados oficiais do Exército, Marinha e Aeronáutica, de cada dez militares na ativa, apenas um é mulher. Somente na FAB as mulheres ocupam mais de 20% do efetivo.

O ministro da Defesa, José Múcio, pediu estudos aos comandos das Forças sobre o alistamento de mulheres acima de 18 anos de idade, com a ressalva de que o procedimento deve ser voluntário, não obrigatório, como no caso de homens.

Segundo a Força Aérea Brasileira (FAB), dos 68.401 militares ativos, 14.830 são mulheres, o que representa 21,7% de participação feminina.

Na Marinha, dos 74.082 militares ativos, 8.540 são mulheres ou 11,53% do total.

A força com maior disparidade de gênero é o Exército, onde dos 213 mil militares ativos, somente 13.328 são do gênero feminino. Nos quartéis, 6,3% são mulheres e 93,7% são homens.

Considerando as três forças como um todo, o País tem 355.483 militares na ativa e apenas 14.830 são mulheres, o equivalente a 10,3% do total.

Múcio se reuniu com os comandantes militares – general Tomás Paiva (Exército), tenente-brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz (Aeronáutica) e almirante Marcos Olsen (Marinha) – para discutir como o alistamento feminino pode ser feito no futuro. Ainda não há previsão de prazos e nem de percentuais de mulheres que poderão ser alistadas.

A ideia do ministro é embrionária, inspirada na experiência do Chile e depende de vários fatores e providências. Ainda é preciso discutir quanto tempo e quantos recursos serão necessários para criar alojamentos femininos nos quartéis, que são essencialmente masculinos.

ESTADÃO

20 respostas

  1. os QEs seguem, pasmem os senhores, pleiteando a promoção a S Ten!!!

    Estão dizendo que tem General que não é concursado e por este motivo tem o direito de serem S Ten.

    Se promoverem os QEs a S Ten, o próximo passo deles, será receber retroativo e serem promovidos a QAO.

    Ingratidão, de alguns desses senhores, para com a Força.

    QE NEM CARREIRA É!!!

    1. E vamos conseguir.
      Já conseguimos uma, vamos conseguir todas enquanro você fica ai Esperando o alto comando que está muito preoculpado contigo sim.

      Aguarde e verá, ainda vamos pegar o posto acima no retroativo.
      Raaaaaasga

  2. Com os baixos soldos, carga horária e pelo desprestígio das Forças Armadas, no futuro próximo Terão que aceitar todo tipo de gêneros e sem concursos.
    FFAA rumo a Guarda nacional.

  3. O que mais importa: vão tirar serviço e missões nas mesmas escala que os homens? Ou continuarão sendo tratadas como pedaços de carnes, por alguns (oficiais), apenas para servir de almoço?

    Acredito que a maioria aqui não é contra, desde que façam as mesmas coisas, afinal o soldo é igual.

  4. Praça nao tem altos estudos. E auxiliar de oficial não é oficial!
    Praça não precisa estudar!
    É mentira quem diz que estudou

    Serei sub

    1. Mas Meu Contracheque De QAO é oficial, e o seu não.
      Só Lamento!
      Na próxima encarnação vc tem outra oportunidade de estudar e prestar concurso público para Estabelecimentos de ensino e parar de tanta inveja e Ressentimentos.
      Mas, não fique tiste não, Painho já vai te promover a Subtenente Sobrenatural.

      1. Se auxilia oficial, oficial não é.
        Nao fez concurso para ser oficial.
        É marmelada e bajulação

        Auxiliar de oficial… auxilia o oficial, como sempre fez, foi auxiliar.

        Sou QE, sou Lula, e ganharei tudo que tenho direito conforme a lei.

        Pois a lei é vontade do povo.

        Ja voce fique ai como um animal amestrado esperando migalhas cairem

  5. Uso Politico das forças.
    Essa questao de colocar mulher nas forças e apenas p ganhar likes, votos, simpatia de pessoas que nao sabe nada de defesa.
    O que mais chama a atencao e os semideuses nao se movimentarem, haja visto que existem ate estudos, etc.
    Resumo: ta tudo dominado

  6. Eu gostaria de saber o que esse “Sten com CHQAO” tem contra os companheiros QEs. Ele externa tanta raiva, provocação e ironia que parece que foi traído por algum QE. Esse espaço, acredito eu, é frequentado majoritariamente por militares; quase todos no mesmo barco, almejando um pouco de lugar ao sol. Em vez disso, esse cidadão não se cansa de espezinhar aqueles que, tbm acredito, que dedicaram a vida a serviço da Pátria. É um lamentável ser.

    1. Também acho q o espaco aqui pode ser de fortalecimento e união pois já perdemos muito.
      Estão falando tanto em mexer ‘previdencia’ militar, de modo que se isso acontecer não será para o bem, como nao o foi na MP 2215 e na lei 13954.
      Depois de Sarney só foi perdas.
      A criação do ministério da defesa por FHC foi péssimo, além das perdas de todos os direitos com a MP 2215.
      O mito poderia ter corrigido tudo, mas não, só melhorou a vida dos generais e de alguns com aquele curso de babão.
      A lei do mal tá aí 13954 apenas prejudicou a grande maioria. Precisamos de correcao e logo após reajuste, se possível igual ao dos civis.

  7. Deveriam folgar os homens durante uns cinco anos e incorporar somente mulheres via Serviço Militar Obrigatório, não ia nem precisar adaptar as instalações.

    1. Boa ideia! Hahahaha…se é pra afundar o “barco”, que se arranque logo a escotilha do casco/assoalho (os irmãos da Marinha de ajudem com a nomenclatura correta)…a água vai entrar mais rápido…

  8. Observando os comentários neste blog sobre diversos assuntos, percebo um baixo nível de debate e divergências internas entre militares da mesma instituição. Penso que se esse mesmo grupo que Aspirava a ser o “Poder Moderador” para conduzir o destino do país substituindo o governo atual, isso é preocupante. Se não possuem competência para resolver problemas internos, como poderiam gerir os desafios do Brasil?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo