Projetos de impacto e a Escola de Sargentos do Exército, uma oportunidade

NOVA ESCOLA PERNAMBUCO

Em época de governança compartilhada, que venham inúmeras partes interessadas que agreguem projetos de impacto, que tragam aperfeiçoamentos e melhoria na vida de milhares de pessoas daquela região. E que venha a Escola de Sargentos do Exército!

NILTON JOSÉ BATISTA MORENO JÚNIOR

A Escola de Sargentos é um dos empreendimentos mais importantes do Exército Brasileiro para os próximos dez anos e pretende incorporar um complexo escolar com cerca de 6 mil pessoas, na Região Metropolitana do Recife (RMR), mais precisamente no oeste metropolitano do Recife, bem próximo da comunidade de Chã de Cruz.

De acordo com levantamentos iniciais da Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de Pernambuco (CONDEPE/FIDEN), tal empreendimento, previsto para ser inaugurado no ano de 2034, irá impactar, além do município-sede, Abreu e Lima, outras cinco cidades: Paudalho, Carpina, Araçoiaba, Camaragibe e São Lourenço da Mata.

A Escola tem chamado a atenção das mentes e dos corações pernambucanos, nos últimos tempos, com foco quase que exclusivo em temas ambientais, importantíssimos e fundamentais. Avançando na discussão dos impactos, esse artigo pretende abordar aspectos tão primordiais quanto os primeiros, como os reflexos sociais e econômicos para as comunidades carentes e municípios circunvizinhos, em especial para as pessoas e projetos sociais, que merecem receber toda a atenção em momentos de desenvolvimento sustentável.

Antes de detalhar projetos de impacto, cabe definir, na visão de Marcel Fukayama, o que seja um ecossistema: nome dado a um conjunto de comunidades que vivem em um determinado local e interagem entre si e com o meio ambiente, constituindo um sistema estável, equilibrado e autossuficiente.

Talvez o exemplo mais conhecido de ecossistema seja o do Silicon Valley, na Califórnia, como um centro global de alta tecnologia e inovação, sede de mais de 30 empresas da Fortune 1000. Sua origem é militar, de pesquisas e desenvolvimento de novas tecnologias, tendo a Universidade de Stanford como polo central.

Pernambuco já tem um exemplo de ecossistema em Tecnologia de Informação (TI), com o Porto Digital, referenciando, nacionalmente, a Capital dos Altos Coqueiros, com aceleradores, incubadoras e parque tecnológico. Seria coerente sonhar com um polo de ensino tecnológico, no oeste da RMR, com a Escola de Sargentos como indutora, já que lá se formarão alunos de educação superior de nível tecnólogo?

A “Aliança pelo Impacto”, no estudo “O que são Negócios de Impacto”, ajusta tal definição como empreendimentos que têm a intenção clara de endereçar um problema socioambiental por meio da sua atividade principal (seja seu produto/serviço e/ou sua forma de operação).

Podem ser dinamizadores de ecossistemas: rede de mentores, mídia, instituições de ensino superior, gestores de capital filantrópico, consultorias, dentre outros e como investidores de impacto: governos, corporações, institutos, fundações e organismos multilaterais.

Importante entendermos a região onde a Escola será ativada e os reflexos sociais advindos da abertura do complexo escolar. Vamos focar em comunidades e cidades, com suas pessoas e projetos sociais.

Sheyla Pincoviski, representando a CONDEPE/FIDEN, na palestra sobre o perfil socioeconômico dos municípios no entorno da Escola, durante o I Encontro da Rede Nordeste de Estudos Estratégicos e Inovação (I ERNEEI), organizado pelo Comando Militar do Nordeste, em março de 2023, no qual a Escola teve foco, detalhou os dados estatísticos daquela região.

A palestrante ressaltou que a população absoluta da área de influência ampliada, agregando os seis municípios já relacionados, contempla cerca de 510 mil pessoas, incluindo 53 mil empregos formais e 28 mil microempreendedores individuais, em números de 2022. Importante também destacar que o entorno da Escola agregará, diretamente, duas pequenas comunidades (Chã de Cruz e Chã de Conselho) e um eixo de provável desenvolvimento, a estrada de Mussurepe.

Pernambuco reúne cerca de 108 mil empresas e a área de influência abrange 4.500 estabelecimentos comerciais, dos quais 2.500 contam com equipes de 1 a 4 colaboradores e apenas 11 deles, entre 500 e 999.

Também foi ressaltada que a taxa de evasão do ensino fundamental público no estado é de 2,6% e quatro municípios daquela região possuem números acima dessa média. Já no ensino médio público, Pernambuco atinge 4,3% de taxa de evasão, com dois municípios acima dessa média: Abreu e Lima e São Lourenço da Mata.

As matrículas na rede profissional nos municípios da área de influência totalizam cerca de 9 mil inscritos, entre cursos técnicos integrados, concomitantes ou subsequentes. Já o número de escolas com educação profissional perfaz 11 estabelecimentos de ensino.

JC

3 respostas

  1. Realmente será um impacto fulminante para praças, veteranos e pensionistas no que tange ao atendimento no possante HMAR, que com certeza, se não é o pior, está entre os três piores do mundo. Quanto aos impactos para a população da grande Recife, um povo que tem em sua essência o comunismo, a esquerda, tenho plena certeza que essa escola não será bem aceita no seio da sociedade pernambucana. Se olharmos pelo lado de segurança, saúde, mobilidade urbana, essa escola será o caos. E pensar que essa escolha foi exclusivamente de cunho político, visando reeleição. O Exército Brasileiro, Melhor Exército Do Brasil, pagará caro por mais uma escolha errada. É praticamente impossível o sucesso da nova escola pois os números negativos em todos os sentidos, conspiram contra a sua instalação. Nem vou citar a política pernambucana que dispensa apresentações.

  2. Mas você fala da esquerda,mas não foi a direita que escolheu o lugar???. Tem muita gente acha que a esquerda do Brasil é isso é aquilo e não sabem nem a diferença entre esquerda e direita. Primeiramente não existe no Brasil o comunismo,ois isso é só foi implantado na cabeça do Bolsonaristas para assim querer ou queriam se perpétuar no poder. Aí vem alguém falar que a esquerda tem um projeto de poder isso?? Mas a pergunta que não quer calar? Não era a direita que queria dar um golpe e se manter no poder através das Fakes, ódio, usando Deus em vão e pregando ser um Messias mas só o falso mesmo. Mas o tempo vai contar a história de quem está certo. O tempo é o senhor absoluto da razão.

  3. Investir numa nova escola e esquecer os soldados, os cabos e os sargentos com os piores salarios.
    1.8bi estão dizendo por ai que esse e o valor.
    é preciso investir nos recursos humanos, sera que ninguem ainda percebeu ou fingiu que não percebeu os salarios dos soldados?
    Infelizmente tem gente querendo inaugurar placa e tirar fotinha do lando de uma muda para massagear o seu ego.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo