Barbada! Lojas de armas tentam atrair militares com promoções

Fuzil T4 MLock, da Taurus (reprodução)

Setor de armas tenta atrair militares com promoções após nova portaria do ExércitoPedro Pligher
Parte da indústria e do varejo de armas de fogo, que teve um ano marcado por demissões e pouquíssimas vendas, tenta agora compensar parte das perdas com promoções voltadas aos militares do Exército.

O movimento vem após a Força Armada publicar uma portaria, na última sexta (14), que regulamenta a compra e venda de armas para militares, e que inclui ainda a possibilidade de compra de armas restritas aos CACs (Caçadores, Atiradores e Colecionadores) em seus acervos pessoais, como fuzis 5,56 x 45mm.

Não tardou muito para empresas do setor tentarem atrair esse público. É o caso da fabricante Fire Eagle, do Rio Grande do Sul, que tem apenas armas restritas em seu portfólio, como carabinas semiautomáticas 9 x 19mm e fuzis 5,56 x 45mm.

A empresa anunciou promoções aos militares, incluindo fuzis por até R$ 11.290. Quando lançadas, as armas passavam de R$ 20 mil.

Lojas têm armas no estoque há mais de um ano
No varejo, a loja conceito da Taurus (TASA4), AMTT (Armas, Munições, Tiro e Treinamento) de São Paulo, também anunciou “condições especiais” para os integrantes das Forças Armadas.

As lojas do setor que negociam fuzis ficaram com os produtos “travados” desde setembro de 2022, quando o STF (Supremo Tribunal Federal) concedeu decisão liminar que proibiu a venda dessas armas.

No entanto, são poucas as lojas que negociam essas armas, visto que, para vender esse tipo de produto, o Exército exige segurança 24 horas e uma estrutura de proteção maior que das lojas do setor que não trabalham com fuzis.

MONEYTIMES Edição: Montedo.com

11 respostas

  1. Se Esquerdistas Soubessem Que A Maioria Dos Militares Tem Alergia À Armas De Fogo, Não Ficariam Tão Preocupados.

    A Maioria Usa Arma, De Fato, Uma Vez Por Ano Como Obrigação E Pouquíssimos Possuem Arma Particular.

    O Grosso Do Efetivo É Composto Por, Digamos… Militares De Censo Do IBGE, Militares “Não Praticantes”, Aqueles Cujo “Ethos” É De Mero Servidor Público Preocupado Em Produzir Documentos, Se Esquivar Do Trabalho O Máximo Que Puder (Escalas De Serviço E Expediente), Maximizar Suas Vantagens Financeiras Com “Missões” Que Remuneram Algum Dinheiro Extra E Esperar O Tempo De Serviço Findar Para Se Aposentar.

    A Maioria Dos Militares Ainda Atira Com Arma Curta Fechando Um Dos Olhos, Como Se Praticasse Tiro Olímpico. Uma Lástima ! Chega A Dar Vergonha Ver Militares Com Décadas De Tempo De Serviço Cometendo Erros Crassos Com As Armas Longas E Curtas. É Uma Falta De Traquejo Enorme, Seja Entre Praças Ou Oficiais.

    Imagino Que A Própria Seleção De Militares Para Comporem A Segurança No GSI Deve Ter Como Gargalo A Proficiência Dos Militares Com O Uso De Armas Curtas E Longas, Só Passando Com Folga Aqueles Que Já Integraram Grupos De Operações Especiais, Já Que Os “Convencionais”, Na Média, Pouco Praticam Tiro.

    1. Está falando bobagens, jovem. Sua visão é muito limitada em relação ao efetivo total das Forças Armadas. Não subestime a importância da posse de armas de fogo. No CFN afirmo com convicção que a maioria das praças graduadas do CFN possui armas de fogo para defesa pessoal. Embora essa não seja a realidade de outras forças, o CFN exige provas de tiro de pistola e fuzil como requisitos de carreira. Ninguém é promovido sem cumprir esses requisitos, e ao longo do ano, há cursos de tiro para aprimorar as habilidades dos militares. Aqui, permitimos o fechamento de um dos olhos para os disparos de fuzil, usando apenas o olho diretor ou dominante se preferir ao mirar alvos a 250 metros se for utilizado M16 ou 300 metros se for FAL. No caso das pistolas, a situação é diferente, pois os alvos estão a 25 metros, e não faz sentido fechar um dos olhos.

      1. Então fale pelo CFN meu irmão, e eu não tenho dúvidas que o CFN é a elite operacional da Marinha, quiça das FFAA.

        Eu falo pela minha visão do Exército, e com 26 anos de serviço e vivência nacional, digo o que vi. E o que vi é o que é.

        meninos comandantes com medo de deferir autorização a seus subordinados, pedindo justificativas como se a justificativa não fosse a lei.

        Um coronel, ano passado, proibindo em um quartel em cascavel de seus próprios militares entrarem armados no……. Quartel (não dele, quartel do exército).

        Não conheço mais que 10 militares que andam armados sempre, desses 10 apenas uns 4 saberiam usar um armamento.

        No CFN tem coldre velado para o uniforme ou só ostensivo. Vocês treinam triple tap, saque velado e coisas assim ou só cerimonial para os marinheiros?

        Um colega meu é adj cmdo, foi no QGEx e tem um detetor de metais lá, desarmaram o sub!!!!!!

        Nao andam armados, tem medo de arma, arma só serve para formatura armado e equipado que o general gosta… e algo me diz que com os fuzileiros não é diferente.

        No EB quem anda armado é visto como louco, eles nem atirar sabem, ficam com os fundamentos de tiro, 20 segundos para um disparo, vi o filme do napoleão e pensei que ainda estamos nessa doutrina do bacamarte de antecarga, quando hoje é sacar e saturar a ameaça…..

        Mas talvez os fuzileiros sejam diferentes né.
        Vai saber.

        1. Camarada, a maior parte do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) reside no Rio de Janeiro. Só o fato de viver aqui já representa um risco constante. Temos uma premissa intrínseca no Fuzileiro: se cairmos, será atirando. Aprendemos como básico o Double Tap, mas, para defesa pessoal, eu pessoalmente não considero muito aplicável. Funciona mais em filmes do que na vida real. Como o porte pessoal pode variar de acordo com o indivíduo, é uma questão de treino com seu armamento.

          Prefiro portar de maneira mais velada, usando coldre de saque rápido e dois carregadores sobressalentes. O calibre .40 me agrada, mas pode-se optar por 9mm devido à precisão e ao baixo recuo. Ninguém que anda armado, pelo menos no conceito geral, quer ser percebido como tal, e, se for preciso, será em situações bem específicas. É absurdo pensar em se colocar em uma situação que exigirá o uso de técnicas geralmente usadas em combate ou na proteção e segurança de alguma autoridade.

          Conhecer seu armamento é fundamental, saber solucionar panes, ter memória muscular e atirar de modo instintivo. Isso só se consegue treinando em clube. Já vi policiais morrerem porque não destravaram seu armamento e ficaram com cara de trakinas apontando para o bandido.

          Quanto a entrar armado nos quartéis, no CFN, por norma, você deve deixar seu armamento no Paiol e só retirá-lo na saída.

          1. E como é o deferimento de porte? Naturalidade como a lei determina? O pessoal no geral anda armado então? Estao anos luz na frente do exército, mas eu deixo aqui minha admiração, sei que é uma vida muito puxada e faz o eB Ser uma repartição pública, meu sobrinho fez o CFN e está puxando gda na 72 ha anos em brasilia…

          2. Porte sai normalmente! Vc pede ao comando por requerimento e vem com o armamento, é negado somente para quem tem trauma.

        2. Com esse conhecimento todo e com esse arsenal de críticas, tu deve ser o “operacional.”
          Pq não se habilita ao GSI e extravasa todo esse conhecimento por lá?

  2. Luciano Hang já avisou que a Havan vai abrir um departamento próprio. E pode usar até o cartão do FuSEx para autorizar o desconto no contracheque, assim como na aquisição do uniforme e de medicamentos do LQFEx… Descontos especiais para a QESADA não ficar só chupando o dedo…

  3. Exército gasta 2.3 milhões de reais em 19 kits de manuais para viaturas: 122 mil reais por conjunto
    Manuais de uso e manutenção da VBMT-LSR 4×4 não acompanham a viatura e são adquiridos “por fora”

    LEIA NA ÍNTEGRA NO SITE SOCIEDADE MILITAR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo