Brasil tem primeira oficial-general de três estrelas

Major-brigadeiro

A  Major-Brigadeiro Médica Carla recebeu a terceira estrela no último sábado (25/11).

Capitão Emília

A trajetória da militar é repleta de exemplos de pioneirismo. Ela foi também a primeira mulher promovida ao Generalato na Força Aérea Brasileira, a primeira a comandar uma Organização Militar na FAB e também faz parte da primeira turma mista – masculina e feminina – do Quadro de Oficiais Médicos da Instituição.

Quando foi promovida a Brigadeiro, em 2020, a militar comentou sobre a importância daquele momento. “As conquistas são oriundas do trabalho e brotam de maneira natural e paulatina. São resultados que geram orgulho e me impulsionam rumo a novos desafios. Cada um desses êxitos compartilho com as pessoas extraordinárias que fizeram e fazem parte do meu caminho, que me apoiam e ajudam a cumprir a missão”, disse.

“Em 2020, quando ascendi ao Generalato, foi um marco na minha carreira. A partir dali, um impulso ímpar surgiu em mim. O entusiasmo já trago naturalmente, mas realmente poder participar de esferas de maior poder decisório, tem sido fundamental pra garantir os interesses da Organização e delinear rumos”, analisa.

Com a nova escolha e com a promoção a Major-Brigadeiro, último posto da carreira para o quadro de Médicos, ela ressalta que tem uma sensação muito emocionante de reconhecimento pelo trabalho realizado. “Se eu pudesse definir a minha carreira em uma palavra seria ‘comprometimento’. Na força Aérea Brasileira eu me dedico a ela e à sociedade brasileira e tenho muito orgulho de estar trilhando este caminho. Agora nesse novo posto eu ainda ganho outro impulso: de continuar contribuindo para que a nossa missão seja cumprida com cada vez mais profissionalismo”.

A Oficial-General ressalta, ainda, a importância do papel feminino na Instituição. “Se eu pudesse dizer algo para as gerações de novas militares, eu diria: persistam, tenham coragem, capacitem-se de forma continuada porque as oportunidades existem. É possível e eu sou o exemplo. E a presença de homens e de mulheres ombreados, trabalhando juntos é o que torna a Força mais resiliente, mais moderna e coerente com a evolução da sociedade”, conclui.

Carreira
A Major-Brigadeiro Carla ingressou na Força Aérea em 1990 e foi promovida ao Posto de Brigadeiro em 2020. É especialista em Medicina Aeroespacial, Hematologia e Hemoterapia e possui Pós-Graduação em Vigilância Sanitária e Epidemiológica e em Desenvolvimento Gerencial na Gestão de Serviços de Saúde.

Atuou como Médica do Primeiro Esquadrão do Décimo Grupo de Aviação – Esquadrão Poker, em Santa Maria (RS); e integrou o corpo clínico do Esquadrão de Saúde da Academia da Força Aérea (AFA), da Base Aérea de Fortaleza, do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) e do Hospital de Força Aérea do Galeão (HFAG).

Foi Diretora da Casa Gerontológica Brigadeiro Eduardo Gomes; Diretora do Hospital central da Aeronáutica; Subdiretora de Saúde Operacional da Diretoria de Saúde da Aeronáutica e Diretora do Hospital de Força Aérea do Galeão, entre outras funções. Com a nova promoção, foi designada Diretora da Escola Superior de Defesa, cargo que assumirá em breve.

Imagens: SO Johnson Barros e Sgt Müller Marin/CECOMSAER e Arquivo Pessoal

Agência FAB

19 respostas

  1. Se a ideia era mostrar representatividade, o tiro saiu pela culatra.

    Branca, de família Classe média alta, frequentadora da alta cúpula desde pequena etc etc

    Quando começarem a sair negros, mulheres negras, LGBTQIA+, e afins, isso em todas as forças , aí vocês dão a notícia.

    OBS: Há, mas já tiveram 2 generais negros 4 estrelas, e daí, quero isso como regra e não como exceção)

    1. O cidadão anônimo, esse sistema de saúde que você se refere e de competência do governo federal (SUS) não tem nada com a Aeronáutica.

    2. Anônimo. Os Hospitais Militares, se destina ao atendimento da tropa. Quer seja nas Forças Armadas, ou nas Forças Auxiliares.

  2. Parabéns a Brigadeiro Carla!

    Excelente profissional!

    Qua siga persistente na melhoria do atendimento médico a família militar e a população brasileira!

    1. Fico lendo os comentários e tirando uma conclusão das palavras de certas pessoas que só sabem criticar, mas não se movem para melhorar suas vidas. Independente de cor, raça e gênero se vc tb se esforçar, cair conseguir. Enquanto estiver só criticando, estará vendo os sonhos dos outros se realizando e vc sempre ficando pra trás.

  3. Não entendo essa surpresa, os seres humanos devem ter os mesmos direitos, quando leio a reportagem penso mais propaganda política, onde devem facilitar o máximo a promoção do sexo feminino para ser o primeiro politicamente correto para mostrar para a população que as mulheres podem chegar aos mais altos postos, isso faz desmerecer a competência delas.

  4. Reserva Renum…como se vc soubesse a real o que é trabalhador como médico com posto superior a capitão, não ficou um dia na função deles, segundo, aainda sem conhecimento diz: desaprendem tudo ?! Como assim, por acaso não tem médico que é major, Cel etc que possui clínica médica particular, que faz plantão em hospitais particulares ou público. Leigo como é, acredito que não consiga enxergar o mérito daqueles que alcançaram o mais alto posto, independente de função.

  5. Nada se consegue nesta vida, se não houver interesse, dedicação e esforço, parabéns para as conquistas, tudo é possível para aquele que acredita no seu objetivo.

  6. Major BRIGADEIRO Carla
    Parabéns pela sua promoção muito merecida e profissional que honra a sua profissão que além de médica,assumir um hospital do Galeão o qual fui muito bem tratada e há vi muitas vezes no seu trabalho cumprindo o que lhe foi colocado para assumir.
    Se hoje conquistou o maior posto da Aeronáutica éporque mereceu e merece.
    Um grande abraço.
    Aime Navas Mayer

  7. Preconceito puro. Meritocracia deve prevalecer e não cor de pele, opção sexual ou posição financeira. Se tem como provar que ela não merece tal posição, prove, caso contrário é pura inveja é uma grande dose de recalque. Vc precisa de um bom tratamento psicológico.

  8. Anônimo. Os Hospitais Militares, se destina ao atendimento da tropa. Quer seja nas Forças Armadas, ou nas Forças Auxiliares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo