Furto de armas do Exército em Barueri completa 2 meses sem nenhuma prisão

Entrada do Arsenal de Guerra do Comando Militar Sudeste, em Barueri (Grande SP); no local foram furtadas 21 metralhadoras do Exército - Paulo Eduardo Dias/Folhapress

Crime aconteceu na primeira semana de setembro e só foi descoberto em 10 de outubro

Josmar Jozino Colunista do UOL
O furto de 21 metralhadoras do Arsenal de Guerra de Barueri, na Grande São Paulo, completa dois meses nesta semana e até agora ninguém foi preso pelo sumiço do armamento. Criminosos abandonaram 10 armas no Rio de Janeiro e 9 em São Roque (SP). As duas restantes continuam desaparecidas.

As circunstâncias de como as metralhadoras acabaram dispensadas por supostos integrantes do CV (Comando Vermelho), facção do Rio de Janeiro, e do PCC (Primeiro Comando da Capital), grupo criminoso nascido em São Paulo, não foram explicadas pelas polícias dos dois estados e tampouco pelo Exército.

Um IPM (Inquérito Policial Militar) apontou seis militares como suspeitos de envolvimento no furto. O Exército pediu a prisão preventiva deles, mas o MPM (Ministério Público Militar) considerou que não há indícios suficientes para decretar tal medida. A Justiça Militar teve o mesmo entendimento.

O crime aconteceu na primeira semana de setembro deste ano e só foi descoberto em 10 de outubro. O cabo Vagner da Silva Tandu, 23, foi apontado como o principal suspeito pelo furto das armas, como divulgou esta coluna.

Sem provas contra o cabo
Porém, tanto o MPM quanto a Justiça Militar afirmam que, por enquanto, não há nenhuma prova contra Tandu nem contra os outros cinco militares. O cabo era motorista do tenente-coronel Rivelino Barata de Sousa Batista, ex-diretor do arsenal. O oficial foi exonerado após o escândalo do sumiço do armamento.

Nas manhãs de terça-feira (31), e quarta-feira (1), tropas do Exército e da Polícia Militar realizaram diligências na Vila Galvão, em Guarulhos (SP), à procura das duas metralhadoras restantes. No segundo dia foram cumpridos mandados de busca e apreensão no endereço de Messias Barbosa de Pádua, 60, o Velho.

No endereço relacionado a ele foram apreendidos um notebook e um telefone celular. Na casa não havia nenhuma arma levada do Arsenal de Guerra. Velho e o comparsa Alexandre Cardoso, 41, o Gordo, são suspeitos de intermediar a venda do armamento.

As metralhadoras teriam sido oferecidas a um assaltante de bancos e carros-fortes da Favela de Paraisópolis, zona sul paulistana, ligado ao PCC. O criminoso, no entanto, se recusou em ficar com as armas por causa do péssimo estado de conservação.

A reportagem não conseguiu contato com os defensores de Messias Barbosa de Pádua e Alexandre Cardoso, — o texto será atualizado se houver manifestação.

O cabo Vagner da Silva Tandu é assistido juridicamente pela advogada Patrícia Aparecida Teixeira de Araújo Carvalho. Ela foi procurada ontem pela coluna, mas não quis falar com o UOL sob o argumento de que a reportagem divulgou o nome do suspeito e a foto dele, e também porque as investigações correm em segredo de Justiça.

UOL

3 respostas

  1. É possível que o militar que chutou, deu murros nas costelas e arrastou pela gola do fardamento alguns dos suspeitos do furto seja o primeiro a ser denunciado pelo MPM. Haja vista que estamos à mercê de uma interpretação distorcida do “garantismo penal”.

    E não duvido que esse cabo ainda fature uma indenização dos veículos de comunicação por terem expostos seu nome e imagem.

    Viva o brasil varonil!!

    Desde a colônia, paraíso de criminosos e condenados!!

    1. O primeiro a rodar vai ser quem mandou a tal “prontidão”. Espero que esse relato não tenha acontecido.
      Agora se esse relato aconteceu, espero que o responsável pague caro mesmo. Muito amadorismo, cada dia mais estão espondo o amadorismo, estão achando que esta no filme da tropa de elite.

  2. A falta de controle e amadorismo grassa a Instituição haja visto os últimos quatro anos em que ficou escancarado o amadorismo do Alto Comando com Generais da ativa até como Ministro da Saúde e a catástrofe que se sucedeu, acampamentos nas postas dos quartéis, reestruturação desigual, a visão que são um mundo à parte e podem fazer o que bem entender e solucionar sem dar satisfação legal a ninguém de suas atitudes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo