Médico do Exército que dormiu enquanto paciente morria vira réu

hce_02

Médico será julgado por homicídio e abandono de pessoa; enquanto militar dormia no Hospital do Exército, paciente teve parada cardíaca

Eduardo Barretto
A Justiça Militar tornou réu um médico militar que dormiu durante o plantão em que uma paciente morreu no Hospital Central do Exército, no Rio de Janeiro. O médico responderá pelos crimes de homicídio e abandono de pessoa, cujas penas chegam a 23 anos de prisão.

O caso aconteceu em 13 de dezembro de 2020 no Centro de Terapia Intensiva do hospital. Na época, o profissional era segundo-tenente médico do Exército e estava escalado para o plantão daquela noite.

Imagem colorida mostra Polícia Civil de Goiás faz operação contra médicos que cobravam por procedimentos oferecidos gratuitamente pelo SUS – Metrópoles
Médicos são suspeitos de lucrarem R$ 1 mi com cobrança de procedimentos ofertados pelo SUS

Médico que abandonou a mãe teve registro cassado por abusar de pacientes
Segundo a denúncia do Ministério Público Militar (MPM), ele tomou uma substância não identificada e dormiu. Ele não avisou aos superiores nem tinha prescrição médica para usar a substância.

Enquanto ele dormia em “sono profundo”, segundo o MPM, uma paciente morreu e outra teve uma piora no quadro de saúde. Colegas do hospital não conseguiram acordar o médico, mesmo depois de avisarem sobre uma parada cardíaca da paciente.

METRÓPOLES

8 respostas

  1. Padrão possante HMAR.
    Não seria no fabuloso Hospital Militar de Área de Recife.
    Hospital Central do Exército, no Rio de Janeiro é um:
    – Hospital Israelita Albert Einstein.

  2. Uns 30 anos de prisão resolveria. Esse ai nem médico é. É um desses açougueiros. Agora tem que pagar pela omissão. Chicote no lombo dele.

  3. Seguem minhas humildes considerações, vejo que muitas das vezes a atividade profissional não observa as questões ERGONOMICAS, pois afinalcomo dizia o filosofo:

    Não sois máquina! Homens é que sois! E com o amor da humanidade em vossas almas! Não odieis! Só odeiam os que não se fazem amar… os que não se fazem amar e os inumanos!
    Charles Chaplin

    Médico com varias noites de plantão tem sono fracionado e estresse pelo ambiente hospitalar, como humano sente o cansaço e tambem tem problemas no trabalho ou na família. A soma de tudo isso, impedem que o organismo se entregue ao sono, relaxe e reponha as energias. Noites mal dormidas podem gerar consequências graves para a saúde física e mental, comprometendo bastante a qualidade de vida.
    Especialistras também alertam para a necessidade de reduzir o consumo de cafeína, bebidas alcoólicas, o fumo e o uso de aparelhos eletrônicos perto da hora de dormir. Para dormir bem, é recomendável um local adequado, com pouca iluminação, cama confortável e temperatura agradável para o corpo.
    Essa ulitim recomendação é o que estou seguinto a risca desde JAN 2023 Na reserva como Ofcial eu estou fazendo um MBA e decretei aqui em casa duas coisas:
    – Dias de frio o relogio que antes estava para despertar as 6 AM, seja colocado de perna pra cima e passe a ser as 9h.
    – auto outorguei 3 meses de férias nesse invermo chuvoso dos pampas sulinos, e nos dias de chuva e frio apenas coloco a cabeça pra fora do cobertor…
    Aguardei 30 anos por esse momento!
    Avante remar!

    1. Ninguém obriga o médico a “se matar” de tanto plantão. Fazem isso de forma voluntária e pela necessidade de usufruir de um padrão de vida de milionário. Limitassem suas vidas, privilegiando seu bem-estar não precisariam recorrer a drogas para conseguir dormir.

      Só falta agora usar o mesmo discurso voltado para os bandidos e começar a dizer que a culpa pela situação dos médicos é da sociedade!!

  4. Nu e cru, esse crime não tem relação com o militarismo em sua essência. Poderia ter acontecido em qualquer outro hospital, seja ele militar ou não. Legalmente, sim, será tratado como militar por estar dentro de uma unidade militar.
    A questão é que muitas profissões se julgam acima das outras existentes, tais como os médicos e juízes. Depois de conseguir esse status, boa parte desses profissionais acha que não deve satisfação a ninguém e eles tratam a população com desprezo. Para piorar, os Órgãos de classe acobertam tais aberrações de conduta, basta ver a quantidade de médicos criminosos soltos e trabalhando ainda como médicos, como se nada devessem a sociedade.
    Enfim, para que eles se sintam mortais, como todos nós, deve-se tratá-los para que sintam dor (sofrimento) pelos maus-tratos causados. No caso dos juízes, o mínimo que deveriam fazer é tirar a “punição” de aposentadoria compulsória, o que é um absurdo sem limites.

  5. Minha maior tristeza e quanfo me desloco para a Emergência do HMAR Hospital Militar de Area do Recife, a equipe de Plantão sao 4 medicos, mais geralmente so um atende os outros tomam Doril, kd o tal do superior de dia para fiscalizar,nem em sonho isto acontece! Difícilmente vc encontra roupa de cama na Emergência. Na minha vida militar servi em 8 Guarnições e o HMAR 0para mim e o pior Hospital do exercito, ainda querem trazer a EsSA para pernamuco. ARREGO KKKKKKKK

  6. Qao Jornalista? Primeiro vc é médico? Segundo, vc conhecia o quadro horário de escala do tal médico? Os plantões eram mesmo a noite? Quarto e último, antes de qualquer afirmação ou relato é necessário verificar os FATOS. AINDA DIGO MAIS, SE O AUTOR DA PREVARICAÇÃO , HOMICÍDIO, OU OMISSÃO FOSSE UM PM ( POLÍCIAL MILITAR), VC COMO JORNALISTA FAJUTO QUE É, JA TERIA ELE O CONDENADO, CHAMADO DE DESPREPARADO E JOGADO A CHAVE FORA … AGORA neste caso, se dá o luxo de falar em trabalho a noite, de estresse, de decisão em frações de segundos ( para o médico), mas se fosse um homem da lei, dúvida que esses mesmos direitos seriam levados em conta ( sono, vários plantões a noite, distância da família, risco de vida e ETC). Jornalista pouca prática é ruim,hein…

  7. O CPM é o único código a punir delitos do sono, pois no CP comum e demais legislações especiais não se pune o sono por faltar ao autor a conduta – ação -.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo