Após ser interceptado pela FAB, piloto pousa avião em estrada de Roraima

Avião destruído em ação contra o garimpo ilegal em Roraima

Uma aeronave foi destruída na tarde de sexta-feira (2) durante operação de defesa aeroespacial sobre a Terra Indígena (TI) Yanomami, na Zona de Identificação de Defesa Aérea (ZIDA), em Roraima.
 Murilo Basseto*

Segundo a Força Aérea Brasileira (FAB), a operação foi deflagrada por agentes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e contou com o apoio do Comando Conjunto Operacional Amazônia (Cmdo Op Cj Amz).

Na ocasião, um tráfego ilícito foi identificado, interceptado e acompanhado por aeronaves da Força Aérea Brasileira, dos modelos E-99 (avião de vigilância), A-29 (avião turboélice de caça) e H-36 (helicóptero).

Imagem: Cmdo Op Cj Amz

Após a interceptação, o avião irregular pousou em uma estrada de terra a cerca de 70 quilômetros a noroeste de Boa Vista (RR), e seus tripulantes evadiram-se com dois motociclistas que já os aguardavam no local. No solo, agentes do IBAMA atearam fogo para inutilizar a aeronave interceptada.

Conforme dados do Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB) para a matrícula PT-IOK do avião, trata-se de um Cessna 182P que estava desde dezembro de 2021 em situação irregular de aeronavegabilidade.

Imagem: Cmdo Op Cj Amz

Outra operação ocorreu na quinta-feira, 1º de maio, e tratou-se de missão de reconhecimento na região de Homoxi, TI Yanomami, envolvendo o apoio aéreo prestado pelo Cmdo Op Cj Amz e a ação pela Polícia Federal (PF). No caso, as instalações de um garimpo ilegal foram identificadas e inutilizadas por agentes da PF.

Foram destruídas duas barracas com os utensílios deixados pelos garimpeiros, máquina de lavar, fogão, freezer, motosserra e combustível, além de dois motores de sucção e um gerador movido à gasolina. Apesar de não ter encontrado nenhuma pessoa na localidade, havia indícios de presença humana recente no local, como os alimentos perecíveis em condições de consumo, suficientes para aproximadamente cinco pessoas.

Além dos agentes da PF, uma aeronave UH-15 da Marinha do Brasil (MB) realizou, também, o transporte de uma equipe de especialistas da Universidade Estadual do Amazonas (UEA). A equipe realizou coleta de água em reservatórios, rios e córregos, em Homoxi e Palimiu (na TI Yanomami), a fim de analisar possível presença de metais nessas fontes de água, que indicam atividade de mineração.

A equipe mediu ainda o pH, o oxigênio dissolvido, a condutividade, a temperatura da água, a turbidez, além da temperatura do ar. A previsão é que os resultados fiquem prontos em duas semanas.

 

* Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo