Comandante do Exército soube dizer não aos apelos por golpe

Lula cumprimenta o novo comandante do Exército, o general Tomás Ribeiro Paiva - Ricardo Stuckert/Divulgação

Comandante soube dizer não aos apelos por golpe

General Tomás Paiva nunca demonstrou simpatia pelo atual presidente, mas na hora decisiva valorizou a democracia

HUMBERTO TREZZI

O jornal Folha de S.Paulo deu origem a uma grande polêmica ao reproduzir, dias atrás, expressões usadas pelo atual comandante do Exército, general Tomás Miné Ribeiro Paiva, sobre o resultado das eleições. As falas foram gravadas e vazadas, agora, por inimigos do chefe da mais poderosa força armada do país.

Logo após o pleito, quando ainda era comandante militar da região Sudeste, Tomás (como é conhecido nos quartéis) fez um discurso a subordinados:

— A vitória de Lula foi indesejada no Exército e infelizmente ocorreu. Mas não houve fraude, o resultado precisa ser acatado, as mesmas urnas escolheram um Congresso conservador — teria comentado o general.

Lula não sabia disso quando seu ministro da Defesa escolheu Tomás Paiva para chefiar o Exército. A Folha soube da fala e optou por dar, em manchete, que o general lamentou a vitória do petista nas eleições presidenciais – isso, após ele ser ungido no comando das forças militares terrestres.

A reportagem criou um constrangimento enorme no governo e levou grande parte do staff presidencial a desconfiar do novo comandante.

Acontece que a fala destacada pelo jornal é apenas parte do que Tomás falou. Primeiro, é preciso ressaltar a conjuntura: ele se pronunciou justo para acalmar os ânimos e estimular seus pares a reconhecerem o resultado do pleito. Em segundo lugar, é direito de Tomás, numa conversa privada, lamentar o resultado de uma eleição. Não poderia fazer isso em público, pois os regulamentos do Exército o proíbem, e não o fez. Terceiro: mesmo que tenha votado em Jair Bolsonaro, adversário de Lula (como a maioria dos militares, podem apostar), o general descartou fraude e aconselhou, para o bem do país, que o veredito das urnas fosse acatado.

O cenário, na época da fala dele, era caótico no país. Milhares de adeptos do ex-presidente se recusavam a aceitar que Lula (PT) fosse empossado na Presidência. Cercaram quartéis das Forças Armadas e pediam golpe de Estado, sem meias palavras. Mais do que isso: chamavam de “frouxos” os militares que não estavam dispostos a intervir para manter o bolsonarismo no poder, rompendo assim com a democracia no país.

Na hora certa, Paiva soube se mostrar democrata. Não só ele. Vários generais do Alto Comando se posicionaram contra qualquer ruptura institucional. E não foram poucos apelos que eles ouviram, no sentido de prender ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), intervir no Congresso e devolver Lula à prisão.

Seria aconselhável que o exemplo de cidadania demonstrado pelo general Tomás fosse mais destacado do que sua fala a respeito de um candidato. É direito dele (e de qualquer um) não gostar de um político. É dever dele (e de todos) respeitar a eleição de alguém, seja do nosso agrado ou não. Isso é ser democrata. Afinal, como bem definiu o estadista britânico Winston Churchill, “a democracia é o pior dos regimes, à exceção de todos os outros”.

GZH/montedo.com

9 respostas

  1. Bom dia Praças Revoltadinhos!!! Vocês que votaram Em Peso No ex Presidiário , Faço uma pergunta, já tiveram Aumento? 😁 se nao Vai ter aumento para a PRF e nem para a Polícia Federal ( conforme Flavio Dino disse ) será que vai ter aumento pra Sub velho reclamão e QE chorão?
    ( principalmente os da Marinha ) 😂

    P.S. Sou possuidor do CHQAO ( turma de 2015 ) e isso foi um impulso maravilhoso na Minha vida financeira , 73% ! Obrigado ao EB 🇧🇷

    1. Sim já tivemos aumento e você quer ter maior satisfação de tirar um presidente que dividiu a tropa talvez você não sabe ,mas vou lhe informar ,mas calma não vai enfartar, porque queremos que faço bom uso do seu dinheiro e com ele depois de viver muito anos , possa comprar um pedaço do céu para você. Mas calma o Lula vai fazer a limpa em dezembro e tudo conforme previsto a lei vai ser julgada inconstituicial em 2024 e nesse mesmo ano os sargento QEs da ativa da reserva vão serem promovidos a subtenentes da ativa e da reserva,assim como já tinha o PL pronto antes do pessoal sair Segundo. Agora o Bolsonaro pode ter dado a você e como isso ele tirou justamente dos que ganham menos e como Subtenente é uma vergonha você tirar de alguém que ganha menos e enfiar no bolso e se achar que é mais que qualquer um. Ou você acha que a vida é eterna,só lamento duas você é uma vergonha e com seu pensamento eu tinha até vergonha de olhar para a minha família.

    2. Claramente vc está cagando pros seus pares mais modernos(3 sgt e 2 sgt) que pegaram instersticios covardes de 10 e 9 anos, só pensa no próprio bolso, vc não é muito diferente dos generais que costuma críticar, tudo farinha do mesmo saco.

  2. GOLPE está acontecendo, acordem.
    Sabem aquela estória de como amansar porcos selvagens.
    E isso mesmo.
    Quando confundem as coisas.

  3. Devemos lembrar que não existe direito adquirido a regime jurídico, portanto os benefícios que os militares possuem hoje, amanhã poderá até ser reduzido, apenas sendo Complementado pela VPNI, a qualquer momento o CHQAO ou outro curso pode perder o direito ao adicional de habilitação.

    “Como quer que seja, a proibição de não cumulação, sobre ser determinação legal expressa, não viola absolutamente nenhum comando normativo de ordem constitucional, porquanto, deveras, no caso em exame – além de se tratar de efetivo aumento na remuneração dos militares, em plena pandemia, com tratamento bem diverso para todas as demais categorias –, não existe direito adquirido a determinado regime jurídico, sobretudo quando preservada a irredutibilidade de remuneração. No caso, o que ocorreu foi exata e sabidamente o oposto. Ipso facto, não se há cogitar de qualquer mácula à Magna Carta.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo