Soldado do Exército é preso por negociar peças de motos furtadas

Peças de motos roubadas por soldado em SP

Na casa do militar Marcos Vinicius da Silva Jacinto, a Seccional de Carapicuíba encontrou duas motos íntegras e duas já desmontadas

Alfredo Henrique
São Paulo – O soldado do Exército Marcos Vinicius da Silva Jacinto, de 20 anos, foi preso em flagrante quando policiais civis encontraram motos furtadas em sua casa, por volta das 12h30 dessa quinta-feira (16/2), em Carapicuiba, região metropolitana de São Paulo.

Ele foi descoberto após a vítima de um furto reconhecer as peças de sua moto, negociadas pelo militar, por meio do WhatsApp.

Além dele, outros dois homens foram presos, em mais duas cidades da Grande São Paulo, durante uma operação de combate a receptadores de veículos roubados e furtados.

Logo após reconhecer as peças de sua motocicleta, a vítima procurou a Delegacia Seccional de Carapicuíba, onde informou o número de WhatSapp usado nas negociações. Com base nisso, investigadores identificaram o endereço do militar, no bairro Jardim Ampermag.

A mãe do soldado permitiu a entrada dos policiais e, na garagem da residência, foram identificadas duas motos furtadas nos últimos dias 13 e 14. Sob uma escada, os investigadores encontraram várias peças de motos, parte delas identificadas como sendo as mesmas negociadas no aplicativo de mensagens. Também foi encontrado um quadro de moto com o chassi correspondendo a um veículo furtado em 27 de janeiro.

O soldado afirmou que havia autorizado duas pessoas a guardarem as motos e as peças em sua casa, porém “não citou nomes”, segundo a polícia.

Com ele foi apreendido um celular “cuja linha corresponde àquela que estava negociando com a vítima”, diz trecho de registro da Polícia Civil. O soldado foi preso em seguida.
O Comando Militar do Sudeste (CMSE) afirmou ao Metrópoles, em nota, que Marcos Vinicius da Silva Jacinto está preso no 2º Batalhão de Polícia do Exército, em Osasco, unidade na qual serve.

“O Exército Brasileiro reforça o repúdio a qualquer ato que atente contra os preceitos éticos e morais da profissão militar”, diz trecho da nota.

O CMSE ressaltou ainda que, por não se tratar de um crime militar, o caso irá tramitar na Justiça comum.

A Justiça concedeu a liberdade provisória ao militar, após audiência de custódia, segundo afirmado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, na tarde desta sexta-feira (17/2).

A defesa do soldado não havia sido localizada até a publicação desta reportagem. O espaço segue à disposição. Leia mais.

METRÓPOLES/montedo.com

Uma resposta

  1. Enquanto tiver gente para comprar esse negócio de roubo e furto de carros para desmanche vai acontecer. Esse comércio e tão forte que os caras recebem o carro de madrugada e ao amanhecer do dia está todo “depenado”, vide o último caso do cantor de pagode que perdeu sua Land Rover a noite e pela manhã foi achada somente a carcaça. Por isso, só compro peças novas, paralelas ou originais, faço minha parte mesmo sabendo que vou pagar caro pelas peças, mas dormirei tranquilo sabendo que ninguém perdeu seu bem ou sua vida para garantir o desconto nas minhas peças. Tudo culpa de quem compra carro e não consegue manter ou de leilão e não tem dinheiro para acertar honestamente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo