E o G. Dias, hein???

Cabeça de militar na bandeja

Ricardo Montedo
Apesar do contorcionismo da mídia amestrada, uma evidência permeia quaisquer que sejam os cenários traçados sobre os lamentáveis episódios do 8 de Janeiro: a inércia do Gabinete de Segurança Institucional, chefiado desde o início do governo Lula pelo general Marcos Edson Gonçalves Dias, amigaço do presidente deste o tempo ‘das casas velhas’, como diz o gaúcho.

G. Dias – responsável direto pela segurança do Planalto, do Alvorada e do próprio presidente – tem sido poupado no noticiário, numa cumplicidade constrangedora entre Lula, mídia e petistas.
Sob qualquer prisma de análise, G. Dias pode ser classificado como incompetente nesse episódio, para dizer o mínimo. A análise das informações deixa claro que o órgão estava sem comando.
Tratamento muito diferente foi dado ao general Arruda, apeado do cargo de comandante do Exército neste sábado (21).

Os nomes do GSI atirados às feras até agora são o do general Carlos Penteado, chefe de gabinete e do coordenador da segurança, coronel André Garcia. Os dois militares pertenciam a equipe do general Heleno e permaneceram no Gabinete após a troca do chefe.

Outro militar jogado à arena é o coronel Paulo Fernandes da Hora, comandante do Batalhão da Guarda Presidencial (BGP), que foi enquadrado ao vivo por um sargento da PM do DF.

Aposto uma mariola do rancho como Penteado, Garcia e Fernandes serão as cabeças servidas em bandejas de prata no banquete de hipocrisia que pauta, desde sempre, as ações de Lula, do PT e – sim! – de boa parte dos estrelados.

E não se fala mais nisso!

A conferir.

19 respostas

  1. “desde o tempo ‘das casas velhas’…”. Rsrsrs
    …”Garcia e Fernandes serão as cabeças servidas em bandejas de prata no banquete de hipocrisia que pauta, desde sempre, as ações de Lula, do PT e – sim! – de boa parte dos estrelados.”.
    Desse jeito!
    ‘Hipocrisia’
    substantivo feminino
    característica do que é hipócrita; falsidade, dissimulação.
    ato ou efeito de fingir, de dissimular os verdadeiros sentimentos, intenções; fingimento, falsidade.

  2. E vamos ao que realmente interessa, sr comandante: política de reajuste, PNR, conforto da tropa, reajuste da bagagem, criação de novas graduações.

  3. Montedo o seu maçarico é muito pequeno para querer queimar o General G. Dias. O General quando assumiu o GSI ele manteve a estrutura e iria aos poucos fazendo as trocas necessárias, até porque não da para trocar todos agentes do GSI ao mesmo tempo. Confiou no profissionalismo do General Penteado e do Coronel André Garcia, e tem que confiar mesmo, são militares profissionais e capacitados para exercer a função. Só que o mesmo parece não ter acontecido na escala de comando abaixo, ou seja, traíram a confiança deles. Até parece que não foi militar, e não sabe como funciona dentro das instituição. Se a missão da certo, tapinha nas costas e vida que segue. Se der errado, tem que ter o “kudum” e o Comando sempre é responsabilizado. A função do general G Dias é institucional e escolha pessoal do presidente é cargo de confiança e deve ter ficado frustrado também pelo fato de ter sido sabotado. Agora o comandante do BGP tomou uma chamada do sargento. Me lembra muito de uma cena do filme “Platoon”, quem viu sabe do que eu estou falando.

    1. Anônimo das 11h43
      Que comentário relés.
      Mais um bajulador de plantão ansioso na defesa de seu fetiche, heróis .
      Servilismo e subserviência faz parte de seu DNA adulador.
      Você morrerá assim, tão diminuto que avilta o homem.
      Triste.

    2. Excelente comentário. E uma grande decepção ler um texto típico da Imprensa que adora dizer como Eu devo pensar. Isso funciona muito bem com o gado golpista, mas fica muito nítido para quem não gosta de ser manipulado. Não conheço o General G Dias, mas parece que o autor do texto o conhece bem.

  4. É absolutamente raso comparar G. Dias à João Batista. G. Dias está mais para aquela caneta que foi guardada no bolso pela anja. Nesse caso, talvez, aí sim, seria ela a Salomé? Quanto ao decurso da resenha, Montedo, vc traçou um roteiro plausível e corajoso. É sentar e esperar.

  5. Deve-se Ressaltar e levar em consideração que o GSI ainda Estava e provavelmente está infestado por usuários de “lexotam”. Agora, tem que acabar com a “Farmacologia psicotrópica” do GSI.

    1. Opa!!! Tava demorando mais apareceu “o isentão”, que votou no fujão com orgulho, mas agora que o esgoto esta transbordando, vai dizer que votou nos facistas do partido novo, hehehehehehehe

  6. Os próximos exonerados serão:
    – Comandante Militar do Planalto (Gen Dutra).
    – Comandante do BGP (Cel Fernandes da Hora).
    – Comandante do 1° BAC (T Cel Cid, o Caixa 2).
    Só uma questão de tempo.

  7. Sou praça E servi sob o Comando do então coronel Gonçalves Dias. Militar ilibado, Profissional e de grande respeito e envergadura moral. Além de ser comandos e FE, com várias missões reais nas costas, é legalista e democrata. nunca tive um Comandante que soube olhar para os sgts como ele. O melhor comandante que já tive, e olha que já tive vários. Fico indignado quando leio comentários aqui de mentecaptos ideológicos falando mal de quem não Conhece só por ranço político de perdedor.

    1. Pois este teu “melhor comandante” é o mesmo que chorou abraçado num policial com cara de bandido com um bolo de aniversário na mão. Um frouxo que não aguentou aquela pressão! E´o mesmo que agora sorri abraçado naquele que disse pro Hugo Chaves que não tinha medo de militares, e que quando eles(os militares) “enchiam o saco” pedindo aumento, ele dava uma migalhas e eles ficavam quietos! Babão!

  8. De Coronel Silvério a General Tomás. A história se repete em uma Capital do Brasil. Ontem no Rio de Janeiro e hoje, em Brasília.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo