Militares do programa de escolas cívicos-militares são exonerados do MEC

Escola Cívico Militar Tiradentes (Imagem: Hoje em Dia)

Integrantes de programa de escolas cívico-militares, criado no governo Jair Bolsonaro, foram dispensados pelo Exército

Natália Portinari
Membros do Exército que ocupavam cargos no Ministério da Educação (MEC), no Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (PECIM), foram exonerados de suas funções.
O capitão Paulo Sérgio Rodrigues Pereira, o tenente Melquizedek Fernandes dos Santos e o tenente José Henrique Provideli Peres foram dispensados de suas funções de “apoio às gestões escolar, didático-pedagógica e administrativa” por uma portaria publicada em 10 de janeiro pelo Exército.
Os três militares ocupavam uma função de “Tarefa por Tempo Certo”, modalidade usada pelas Forças Armadas para contratar militares da reserva ou reformados como auxiliares no Executivo. Isso significa que, mesmo estando lotados no MEC, cabia ao Exército realizar a dispensa deles do cargo.
O programa de escolas cívico-militares foi criado no governo Jair Bolsonaro. O governo Lula pretende extinguir a área e já acabou com a diretoria no MEC que era responsável por executá-la.
METRÓPOLES/montedo.com

6 respostas

  1. vejam só, “Boquinhas” criadas para usufruto de nossos abnegados colegas da reserva que decidem retornar como PTTC em prol da “pátria”.

    Até me emociono….

    …snif, snif, snif….

  2. “apoio às gestões escolar, didático-pedagógica e administrativa” traduzindo: Auxiliar de porra nenhuma, Também conhecido como MAMATA.

  3. Eu gosto de ver que a maioria dos militares sao democratas e ja perceberam que esses cargos nada são, se não boquinhas e mamata, pra os amigos do rei.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo