Escolha uma Página

Ação vai pedir uma indenização por causa da desestabilização familiar. Advogado criticou o fato da Marinha do Brasil fornecer o porte ou posse de armas aos sargentos, mas não promover formação adequada.

Jefferson Monteiro, TV Globo
A defesa da família de Durval Teófilo, o advogado Luiz Carlos de Aguiar Medeiros, afirmou neste sábado (5) que vai acionar a Marinha do Brasil (MB) na Justiça, pedindo uma reparação pelo assassinato.
Durval foi baleado e morto pelo sargento Aurélio Alves Bezerra, quando chegava em casa em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio.
De acordo com o advogado, a ação vai pedir uma indenização por causa da desestabilização familiar. Luiz Carlos Medeiros criticou o fato da Marinha do Brasil fornecer o porte ou posse de armas aos sargentos, mas não promover formação adequada para o manuseio e para lidar com situações como o assassinato.
“Pelo sargento ter o porte por conta da Marinha, a mesma é responsável por uma formação técnica e psicológica de seus militares”, afirmou o advogado.
O g1 entrou em contato com a Marinha do Brasil, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.

Indiciado por homicídio doloso
A Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) encerrou o inquérito que investiga a morte de Durval Teófilo Filho, morto na porta de casa pelo vizinho que o confundiu com um bandido.
Inicialmente, a polícia havia indiciado o o sargento da Marinha Aurélio Alves por homicídio culposo, quando não há a intenção de matar. Na sexta-feira, porém, o Ministério Público pediu e a Justiça acatou a mudança da tipificação do crime para doloso. A DH, então, finalizou o inquérito como homicídio doloso, e encaminhou à Justiça.
G1/montedo.com

Skip to content