Escolha uma Página

As postagens sobre a agressão de policiais a um soldado do Exército em Curitiba desencadearam uma patética “guerra” de comentários entre PMs e militares das Forças Armadas. Entretanto, alguns leitores ainda se socorrem do bom senso. Acredito que os comentários abaixo sintetizam a questão. Confira.

Sargento PM
O PM agressor agiu errado e ponto final! Perdeu o controle. Eu não iria comentar nada pois cansei de observar comentários neste blog onde passaram pano em condutas irregulares de militares das FFAA pondo em cheque a veracidade de ações até mesmo de “réus confessos” e como Policial Militar primeiramente me senti no dever de lavar as minhas mãos, de fazer o mesmo, mas mudei de ideia.
Tenho apenas 10 anos de serviço mas já conquistei a terceira divisa com orgulho, algo difícil para um PM conseguir.
Posso dizer que minha especialidade, minha rotina diária de serviço é fazer abordagens e digo que em um dia tranquilo não faço menos de 10 abordagens. Já abordei inúmeras vezes oficiais e praças das FFAA e posso dizer que os que dão “problemas” são os militares EV na maioria das vezes. Parece simples mas abordar pessoas requer uma imensa paciência, algo que as vezes é difícil administrar devido ao estresse da rotina, do trabalho árduo das noites mal dormidas e da famosa carteirada. Infelizmente eu admito que o PM agiu com força desnecessária, mas tenho certeza que ele será punido e espero por isso. O PM tem que saber lidar com isso, tem que saber aguentar bêbados folgados, pseudo autoridades reivindicando prerrogativas que lhes faltam e ameaças de bandidos. Isso é fato! Isso difere os bons dos maus policiais.
Aprendi a ser militar em um Pel PE de Juiz de Fora onde graças aos ensinamentos dos meus superiores na época fui orientado a agir com humildade caso fosse abordado pela PM e isso está deixando a desejar.
Em resposta ao Sub que ganha 14 mil digo que é infeliz expor o seu vencimento aqui para tentar desmerecer a PM. O quanto o senhor ganha importa apenas ao senhor, alias, 14 mil é o soldo de um 1º Sgt PM aposentado em MG após 7 anos sem reajuste, ou seja, bosta nenhuma.
A bandidagem está unida e o mal festeja a discórdia entre nós! A conduta do PM foi incompatível e a justiça se encarregará disso! Grande abraço companheiros. Somos da mesma arvore, apenas de galhos diferentes, de missões diferentes!

Anônimo escreveu:
Sargento PM no 20 de janeiro de 2022 a partir do 00:40
Sábias palavras. Fico muito feliz em ver que em meio a esse “muro de lamentações” de pessoas frustradas e de ações ignorantes, encontramos alguém com sensatez. Vivemos num país de “otoridades”. Nenhuma instituição está a livre desses senhores das prerrogativas. Está claro nas imagens que houve abuso por parte da PM e concordo que serão punidos. Apenas isso.
Quanto ao sentimento de heroísmo, creio que todo ser humano que levanta cedo e vai buscar o sustento de sua família, é um herói, nem mais, nem menos. Uma classe não pode querer justificar tudo por crer que é herói, mas está fazendo, apenas, o que se propôs e recebe por isso (falo de todas as classes, militares e civis).
O militar das forças armadas atuais pagam o preço do que militares do passado fizeram ou do que falaram que eles fizeram, o que não é o caso desse debate.
As polícias pagam pelos excessos cometidos por parte de seus integrantes. Quem nunca viu alguém apanhar em uma abordagem ou ser mandado sair de tal local público e ir se recolher em residência? Se é certo ou errado, se tem justificativas ou não, não é o caso. A verdade é que isso é abuso e/ou crime!. Sofrem represálias por essas ações.
Quanto ao recruta, oficial, praça, etc, há algo a esclarecer. Para a polícia, é um cidadão, e isso é mais que qualquer autoridade. Portanto, não tem que haver nenhum tratamento diferenciado, nem para mais, nem para menos. Nem do abordado em exigir algo diferente. Apenas as prerrogativas de cidadão garantidos por lei e um dever do Estado, portanto, dever de quem diz representar o Estado.
Por fim, temos que ser, cada dia e em tudo o que desempenhamos, profissionais. Pois é isso que propomos a fazer e recebemos da sociedade por isso. Cabe ao órgão responsável a investigação e punição. A nós, apenas oferecer à sociedade o que ela paga todos os dias para receber. Principalmente, o respeito.

Skip to content