Escolha uma Página

Grupo terrorista havia reivindicado autoria do atentado que matou 169 afegãos e 13 militares americanos na última quinta-feira, 26

Redação, O Estado de S.Paulo
CABUL – Militares americanos atacaram o ISIS-K, braço do Estado Islâmico no Afeganistão, na manhã deste sábado, 28 (horário local, noite de sexta-feira no Brasil), matando ao menos um membro do grupo. O ataque foi uma retaliação ao atentado suicida no aeroporto de Cabul que deixou 169 afegãos e 13 militares dos EUA mortos na última quinta-feira, 26.
Segundo o porta-voz do Comando Central dos EUA, o capitão Bill Urban, os militares usaram drones para atingir um membro do Estado Islâmico que teria planejado ataques terroristas. A ação ocorreu na província de Nangarhar, localizada na fronteira com o Paquistão.
A identidade do alvo, identificado como “planejador”, não foi revelada. O pronunciamento não deixou clarou se o membro do ISIS-K estava especificamente envolvido no atentado de quinta-feira. “As indicações iniciais são de que matamos o alvo. Não temos conhecimento de vítimas civis”, declarou o capitão.
O presidente americano Joe Biden havia prometido retaliação contra o grupo na última quinta-feira. “Vamos caçá-los e fazê-los pagar”, disse sobre os perpetradores dos atentados no aeroporto, acrescentando que eles não podiam se esconder.
Líderes do Pentágono disseram a repórteres nesta sexta-feira que estavam preparados para qualquer ação retaliatória ordenada pelo presidente. “Temos opções agora”, disse o general Hank Taylor, do Estado-Maior Conjunto do Pentágono.
A Casa Branca afirma ter indícios de que o grupo planeja outros atentados suicidas. Os EUA e seus aliados têm quatro dias para concluir a retirada de civis e militares do país. Biden foi avisado nesta sexta-feira que deve esperar outro ataque letal nos últimos dias da operação.
A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse que a equipe de segurança nacional de Biden não está otimista. “Eles avisaram o presidente e a vice-presidente que outro ataque terrorista em Cabul é provável, mas que estão tomando medidas de proteção à força máxima no aeroporto”, afirmou.
Na sexta-feira, o Departamento de Estado mais uma vez pediu aos americanos que fiquem longe dos portões dos aeroportos, incluindo “o portão do Novo Ministério do Interior”. /AP e NYT
ESTADÃO/montedo.com

Skip to content