Poder sem pudor

No final de 1964, o então coronel João Paulo Burnier, que mais tarde seria o célebre brigadeiro, assumiu o comando da Base Aérea de Santa Cruz. Chefe rigoroso, era muito temido. Certa vez, numa sexta-feira, reza a lenda que ele ligou para o Oficial de Dia, tenente Tomaz: “Tenente, soube que amanhã haverá sessão de cinema na Base. Qual será o filme?” O tenente, nervoso, respondeu com a voz trêmula: “Eu, Você e o Destino”. O comandante Burnier não entendeu direito: “O quê? Para evitar intimidades, o tenente se apressou em corrigir: “O filme é “Eu, o Senhor e o Destino”…

DIÁRIO do PODER/montedo.com

Skip to content