Escolha uma Página
Horrores e momentos idílicos na frente de batalha ilustram cartões postais enviados por jovem alemão à sua noiva.
Durante a Primeira Guerra Mundial, os soldados alemães na frente de batalha recebiam cartões postais em branco (Feldpostkarten) para se comunicar com suas famílias O jovem Otto Schubert utilizou o espaço de maneira criativa: transformou-os em pequenas obras de arte (Foto: Courtesy of a prived collection USA/BBC)
 (Foto: Courtesy of a prived collection USA/BBC)
Da BBC
Os soldados alemães que lutaram na Primeira Guerra Mundial recebiam cartões postais em branco para enviar a suas famílias ansiosas por notícias. Alguns escreviam cartas detalhadas, mas o jovem Otto Schubert criou neles pequenas obras de arte.
 (Foto: Courtesy of a prived collection USA/BBC)
Schubert tinha 23 anos à época de sua convocação, em 1914. Durante o tempo em que ficou em batalha, fez dezenas de cartões postais para sua noiva, Irma, com desenhos que contavam os detalhes do dia a dia nas trincheiras.
Cem anos depois, cerca de 70 desses cartões estão sendo expostos na galeria Pepco Edison Place, na capital americana, Washington.
(Foto: Courtesy of a prived collection USA/BBC)
“Os cartões postais não são muito reveladores pelo que ele escreveu, mas pelo que ele pintou”, disse à BBC uma dos curadoras da exposição, Marion Deshmukh, professora de História Cultural da Alemanha e Europa na Universidade George Mason, em Virgínia.
Os postais pertencem a outra curadora da exposição, Irene Gunther. Foram encontrados quando a especialista estava mexendo em objetos de sua família, que era ligada à arte alemã.
“Basicamente, permaneceram em uma caixa por cem anos”, diz o correspondente da BBC em espanhol em Washington, Thomas Sparrow.
Horror e idílioSchubert recriou no papel o rastro de destruição que a guerra deixava. Mas ele também ilustrou momentos mais calmos.
“A Primeira Guerra Mundial foi horrível, mas houve meses em que os soldados não faziam muita coisa”, diz Deshmukh. “Alguns dos cartões-postais são cenas quase idílicas do campo francês e nem dá para saber que tinha uma guerra em andamento.”
A exposição em Washington também mostra outros exemplos de arte feita por soldados e civis na guerra e tenta “humanizar” o conflito, mostrando como os indivíduos suportaram e interpretaram a guerra que durou de 1914 a 1918.
Os curadores dizem que 7 milhões de cartões postais foram trocados durante esses quatro anos, com pinturas, textos e outras formas de expressão.
“Hoje poderíamos chamar isso de uma espécie de Twitter da época”, escreveram Deshmukh e Günther, em um dos ensaios que acompanham a exposição.
BBC Brasil/montedo.com
Skip to content