Escolha uma Página
Desativada desde 2001, base fica a 250 km da costa americana
MOSCOU (Reuters) – A Rússia negocia secretamente um acordo provisório com Cuba para reabrir uma grande base da era soviética na ilha caribenha, de onde o país espionou os Estados Unidos, disse uma fonte do setor de segurança da Rússia nesta quarta-feira.
Confirmando uma reportagem do jornal Kommersant, segundo o qual a ação teria sido acertada em princípio durante uma visita do presidente Vladimir Putin a Cuba na semana passada, a fonte disse à Reuters que a estrutura de um acordo foi combinada no encontro.
No auge da Guerra Fria, a base de Lourdes, ao sul da capital Cubana, Havana, teve até 3.000 funcionários e foi o maior centro de operações de Moscou no exterior para a coleta de informações a partir de sinais de rádio.
A base, a 250 quilômetros da costa dos Estados Unidos, também foi usada para facilitar as comunicações de navios russos.
REUTERS/montedo.com


Putin desmente reabertura de centro de espionagem em Cuba

Putin está isolado, mas nega o regresso à espionagem a partir de Cuba REUTERS
O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, desmentiu a reabertura da antiga base de espionagem soviética em Cuba, que foi fechada em 2001.
“Isso não é verdade”, disse Putin numa conferência de imprensa. “Fechámos esse centro numa decisão conjunta com os nossos amigos cubanos. Não temos a intenção de retomar a actividade”, disse.
A notícia sobre o reactivamento da base foi dada na quarta-feira à noite pelo jornal russo Kommersant, que citava “várias” fontes governamentais para explicar que este foi um dos vários acordos – ainda que “de princípio” – que Putin fez em Cuba, a primeira paragem da viagem à América Latina que antecedeu a sua participação na cimeira dos BRICS, que decorreu no Brasil e terminou na quarta-feira.
Esta visita à América Latina foi lida como uma tentativa de Putin para quebrar o isolamento da Rússia perante os EUA e a Europa devido à crise na Ucrânia. O Presidente russo voltava-se para antigos aliados de Moscovo e a reabertura da velha base de espionagem, escreveram os analistas, fazia sentido neste novo contexto.
A base, situada em Lourdes, perto de Havana, fica a 250 quilómetros do território dos Estados Unidos. A sua construção terminou em 1964, dois anos depois da crise dos mísseis, e para Moscovo era uma instalação estratégica da Guerra Fria, considerada um dos postos mais importantes fora da URSS. Permitia aos soviéticos escutar os sinais de rádios dos submarinos e dos navios e também as comunicações de satélite dos americanos.
A actividade baixou de intensidade depois do fim da URSS e, em 2001, a base foi encerrada, por razões económicas (durante décadas, Moscovo não pagou a utilização do espaço aos cubanos, passando depois a Havana a cobrar uma renda), mas sobretudo por razões políticas. Após os atentados do 11 de Setembro de 2001 Moscovo apoiou a guerra contra o terrorismo e o Kremlin aplicava uma estratégia de aproximação ao Ocidente e de entendimento com os EUA. Foi um período de boas relações e reposicionamento da Rússia na geoestratégia global que levou mesmo à discussão da possibilidade de se iniciarem negociações para a entrada deste país na NATO.
PÚBLICO PT/montedo.com
Skip to content