Escolha uma Página
Temporais também trouxeram estragos para outras cidades da região.
No Norte, vendaval derrubou telhado de escola e destruiu uma casa.
Defesa Civil, Corpo de Bombeiros e Exército ajudaram no resgate de famílias atingidas do bairro Quarta Linha, em Criciúma (Foto: Lucas Sabino/Secom)
Defesa Civil, Corpo de Bombeiros e Exército ajudaram no resgate de famílias atingidas do bairro Quarta Linha, em Criciúma (Foto: Lucas Sabino/Secom)
Janara Nicoletti
Do G1 SC
A frente fria que trouxe o fim da onda histórica de calor intenso em Santa Catarina chegou acompanhada de chuva forte, que causou estragos em diversas regiões catarinenses entre a tarde de quinta-feira (13) e esta sexta (14). Uma das cidades mais atingidas, segundo informações da Defesa Civil de Santa Catarina, é Criciúma, no Sul do estado, onde o Exército auxilia na remoção de famílias que vivem em áreas alagadas desde o início da manhã de sexta.
De acordo com o Corpo de Bombeiros, as primeiras ocorrências de alagamentos foram informadas por volta das 6h desta sexta-feira. Até as 15h40 a Defesa Civil não soube informar, precisamente, quantas pessoas estavam desabrigadas e desalojadas na região Sul do estado. Porém, em Criciúma, pelo menos 200 famílias precisaram ser retiradas de suas casas por causa dos alagamentos, segundo Defesa Civil.
Na madrugada, problema parecido atingiu cidades de Araranguá e Balneário Arroio do Silva, onde ocorreram diversos alagamentos. Na noite de quinta, Balneário Gaivota e Sombrio já haviam registrado inundações por causa do grande volume de chuva que caiu sobre a região Sul. Na mesma área do estado, Passo de Torres, Içara, Balneário Rincão e Braço do Norte também registraram problemas.
Cidades de outras regiões catarinenses também tiveram problemas por causa da chuva. No Vale do Itajaí, foram registrados alagamentos em Rio do Sul e uma rodovia foi interditada temporariamente por queda de barreira, em Presidente Getúlio. O mesmo problema ocorreu em Joaçaba, no Oeste. No final da tarde de quinta, no Norte catarinense, um vendaval destelhou casas, um colégio e derrubou uma residência, em Matos Costa.
Criciúma
Em Criciúma, a chuva começou por volta das 4h30 desta sexta-feira (14) e até por volta das 10h não havia parado, segundo a coordenadora da Defesa Civil de Criciúma Ângela Mello. Ela estima que tenha chovido cerca de 250 milímetros neste período. O grande volume de água fez rios transbordarem e afetou duas regiões. Os Bombeiros e a Defesa Civil consideram que as mais preocupantes são Quarta Linha e a Grande Próspera.
Na Quarta Linha, o nível da água ultrapassou um metro, segundo representantes da Defesa Civil. Pelo menos 200 famílias precisaram ser retiradas de suas casas por causa dos alagamentos.
Equipes do Exército, Corpo de Bombeiros e Defesa Civil fizeram um mutirão para conseguir auxiliar os desalojados. O acesso até estas pessoas só é possível com auxílio de caminhões. Quem não tem onde ficar está sendo levado para abrigos montados no município.
Os moradores da região Grande Próspera, que engloba diferentes bairros, também sofrem com os alagamentos. Dezenas de famílias também precisaram ser removidas de suas casas desde a madrugada. A chuva interditou a rodovia Louis Rosso, que ficou inundada.
Em Içara, também no Sul, moradores acordaram com casas alagadas em algumas regiões. A chuva que atingiu a cidade provocou inundações em bairros como o Primeiro de Maio.
Norte
Em Matos Costa, cidade do Norte catarinense que faz divisa com o Paraná, um vendaval trouxe prejuízos para os moradores. Por volta das 17h desta quinta-feira (13), o forte vento destelhou casas, derrubou árvores e chegou a destruir uma residência.
Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura, até as 9h30, havia informações de estragos apenas na área central da cidade. O vento foi bastante localizado, conforme informado pela Prefeitura. Com a força do vento, o telhado de zinco do ginásio de uma escola foi arrancado. A estrutura foi arremessada contra a área onde ficam as salas e também danificou o telhado desta área. O Corpo de Bombeiros orientou cancelar as aulas nesta sexta-feira, por causa da previsão de novos temporais.
Vale do Itajaí
Em Presidente Getúlio, um temporal causou problemas em alguns pontos da cidade na noite desta quinta-feira (13). A SC-340 chegou a ficar interditada por alguns momentos devido ao barro e pedras que caíram sobre a pista. O Centro da cidade ficou alagado, segundo os bombeiros.
Na mesma região, uma casa teve o telhado arrancado e parte da estrutura derrubada pela força do vento. A residência de alvenaria precisou ser interditada por causa dos estragos à estrutura.
Alagamentos e deslizamentos foram registrados em Rio do Sul. De acordo com a Defesa Civil municipal ocorreream quedas de barreira e muros nas áreas mais altas do município. No outro extremo, os pontos mais baixos tiveram alagamentos. Até as 11h10 não havia famílias desalojadas e equipes da Defesa Civil faziam levantamento para contabilizar os estragos.
A chuva começou por volta das 19h30 de quarta e continuou até perto da 0h de sexta. A Defesa Civil informou que na primeira meia hora choveu aproximadamente 74 milímetros. No total, a estimativa é que tenha caído 85 milímetros. Conforme os técnicos do órgão, as galerias pluviais não suportaram o volume de água e acabaram ocorrendo alagamentos. Os bairros mais atingidos foram: Boa Vista, Santana, Laranjeiras, Budag e Santa Mônica.
Oeste
A chuva que começou a cair sobre a região nesta sexta-feira provocou deslizamento em Joaçaba. Árvores e pedras se desprenderam da encosta que fica em uma região de serra e interromperam parcialmente a pista da SC-150, que liga os municípios de Joaçaba e Lacerdópolis, no Oeste catarinense. O acidente ocorreu por volta das 7h desta sexta e atingiu um carro que trafegava pela via. Com o impacto, o veículo teve parte do eixo dianteiro quebrado. (R. A.)
G1/montedo.com
Skip to content