Escolha uma Página
Causo domingueiro

Ricardo Montedo
Figura folclórica na história do 144 RC, o coronel Jogevas serviu na unidade várias vezes, a primeira como aspirante, recém egresso da Escola Militar do Realengo, no final dos anos 40 do século passado.
Natural de São Pedrito, Jogevas namorava Marília desde a adolescência, e tratou de casar-se assim que se formou. Não tardou e surgiu a primeira gravidez, motivo de alegria e expectativa para o jovem casal.
Ocorre que, para Jogevas, ‘raro’ era pouco. Sua capacidade de fazer trapalhadas e sua notória burrice eram atributos para incluí-lo na categoria dos ‘legendários’, com louvor.
O capitão Pancrácio, comandante do primeiro esquadrão de fuzileiros, era uma espécie de precursor da Dilma – no que tange as boas maneiras, se é que me entendem – e há tempos já tinha perdido a paciência com as trapalhadas do aspira.

O quartel do 144 tinha uma posição de dominância sobre a cidade de São Pedrito, erguido na única coxilha de alguma relevância topográfica da região, predominantemente plana. Outra característica era que a principal avenida da cidade iniciava na região da várzea, próxima ao campo de pólo que pertencia ao exército e terminava em seus portões. Assim, os jogadores necessitavam atravessar a “rua do quartel” para praticar esse esporte típico dos ‘beiçudos’.

O fato a seguir narrado sucedeu numa partida de pólo, ao qual, para variar, o pobre Jogevas não era muito afeito.
Após erros sucessivos, que foram irritando cada vez mais o capitão, num acesso de fúria, Pancrácio investiu seu cavalo contra o aspirante, taco em punho, pronto para dar-lhe um corretivo mais forte.
Ao pressentir o ataque, o apavorado Jogevas encetou louca cavalgada em direção ao quartel, seguido de muito perto pelo capitão. Os passantes, atônitos, assistiam aquela cena insólita, sem nada entender.
Pancrácio berrava:
– Vou te matar, aspirante de merda!
Jogevas, desesperado, retrucava:
– Não me mate, capitão, eu vou ser pai!
– Tu tinhas era que ser mãe, seu filho da puta!
E, ante o olhar da guarda atônita, a inusitada dupla sumiu no rumo das baias do velho regimento.
O que aconteceu daí em diante ninguém soube, mas o fato é que Jogevas não morreu. Porém, por via das dúvidas, ajeitou com o subcomandante uma providencial transferência para o esquadrão de petrechos pesados, onde, apesar do nome, a vida lhe foi bem mais leve.
Skip to content