Escolha uma Página

Comando do 62º BI de Joinville acredita que oficial foi vítima de tiro acidental
Tiago Reis da Silva foi atingido por um disparo de arma de fogo


Mariana Pereira | [email protected]

Em pleno Dia do Exército, a programação do 62º Batalhão de Infantaria de Joinville teve de ser interrompida pela morte de um oficial. Atingido na noite de quinta-feira por um disparo de arma de fogo, o segundo-tenente Tiago Reis da Silva, 21 anos, terá a morte investigada pela Polícia Civil e pelo próprio Exército.
Conforme o setor de comunicação social do 62º BI, Tiago estava de serviço naquela noite e o acidente teria ocorrido quando ele e outro militar devolviam armamentos à sala de armas, antes de pernoitar no batalhão. Foi neste momento, por volta das 22h30, que a pistola que estava com um sargento teria disparado acidentalmente e atingido o peito de Tiago.
Segundo nota divulgada pelo comando nesta sexta, o 2º-tenente foi socorrido por uma equipe médica do batalhão e também pelo Samu, mas não resistiu aos ferimentos. O local passou por perícia – o resultado da análise deve ser divulgado em 40 dias. Além disso, até que as circunstâncias da morte sejam esclarecidas, o sargento que teria disparado acidentalmente a arma ficará afastado das atividades. O nome dele não foi divulgado.
O Exército ofereceu à família de Tiago, que mora em Florianópolis, apoio psicológico. Na manhã de sexta, uma comitiva formada pelo comandante do 62º BI, tenente-coronel Ronaldo França Navarro, e militares amigos de Tiago partiu de Joinville rumo à Capital para participar do velório. O sepultamento ocorreu neste sábado, no Cemitério Jardim da Paz.
— Se tem algo que nos conforta é saber que ele estava feliz, realizado, trabalhando no que gostava —, relata Pedro Reis da Silva, 25, irmão de Tiago advogado que já serviu ao Exército.
Ele pretende acompanhar de perto o inquérito policial militar que será instaurado para apurar a morte do irmão.
Pedro conta que o irmão se formou no Núcleo de Preparação de Oficiais da Reserva do Exército Brasileiro (NPOR), em Florianópolis. Neste ano, partiu para Joinville como oficial.
A Polícia Federal, responsável por investigar crimes ocorridos em instituições federais, informou haver indícios de que a morte foi causada por um acidente.
Segundo o delegado Alex Sandro Biegas, o caso deve ser investigado na esfera militar. A apresentação da banda do 62º BI, que seria neste sábado, foi cancelada.
A Fundação Cultural de Joinville (FCJ) informou que a edição dos Concertos Matinais marcada para o próximo domingo, que ocorreria no 62ºBI, teve a apresentação cancelada.
Em outubro do ano passado, um sargento morreu dentro do 62º Batalhão de Infantaria, em Joinville. A morte foi apurada pela polícia civil e pelo próprio batalhão
A NOTÍCIA/montedo.com
Skip to content