Escolha uma Página
Formigas usam estratégia militar para acabar com inimigos
REINALDO JOSÉ LOPES
Imagem: Jonatas Azzolini (DeviantArt)
O chinês Sun Tzu (544 a.C.-496 a.C.) pode ter levado a fama de pai da estratégia militar com seu livro “A Arte da Guerra”. Para o americano Mark Moffett, contudo, seria bem mais justo que o título ficasse com as formigas.
Pesquisador do Museu Nacional de História Natural dos EUA e fotógrafo de mão cheia, Moffett roda o mundo há décadas documentando o comportamento das criaturas.
Em seu livro “Adventures Among Ants” (“Aventuras Entre Formigas”, ainda sem tradução para o português) e em artigo na revista “Scientific American” deste mês, ele defende que esses insetos sociais são o único tipo de animal que guerreia de forma semelhante aos Estados organizados por seres humanos.
Ou seja: milhares de indivíduos em formação cerrada, apostando tudo num confronto que pode significar a vitória ou a aniquilação.
(Mark Moffett/Minden Pictures)
Formiga-correição “Dorylus nigricans” em posição de alerta; insetos adotam estratégia de guerra agressiva
QUESTÃO DE ESCALA
Muitos outros animais, como chimpanzés e lobos, envolvem-se em escaramuças “de fronteira” ou tocaias, mas nem chegam perto da escala homérica que caracteriza humanos e certas formigas, diz.
Entre as mais belicosas estão as asiáticas Pheidologeton diversus, ou formigas-saqueadoras, e as espécies de formiga-correição, como a Dorylus nigricans, da África.
As colônias desses bichos são a versão invertebrada dos hunos ou do exército de Gêngis Khan: hordas numerosíssimas (com até milhões de indivíduos), extremamente móveis, que não deixam pedra sobre pedra em seu caminho.
Mas elas não são devastadoras por mera força bruta. Sua primeira vantagem estratégica é a formação cerrada, ou seja, a capacidade de empacotar muitas formigas na frente de batalha, criando uma muralha impenetrável de soldados. É o que faziam os antigos gregos e macedônios, por exemplo.
As formigas-saqueadoras, além disso, desenvolveram seu próprio batalhão de operações especiais.
Enquanto o grosso do ataque depende de operárias diminutas, que existem em grande número e são relativamente descartáveis para o formigueiro, os golpes de misericórdia nos inimigos mais parrudos são dados por “capitãs” enormes, que chegam a ser 500 vezes mais pesadas que as “soldadas rasas”.
De quebra, elas ainda servem de “tanque”, carregando as operárias menores para a frente de batalha.
ALMA DO NEGÓCIO
Guerra psicológica? Formigas que escravizam outras espécies a praticam também, “bombardeando” o formigueiro alheio com substâncias que deixam suas inimigas em pânico.
Para Moffett, os motivos que levaram algumas espécies de formigas a adotar a guerra total são muito parecidos com os que operaram nos Estados humanos.
“As sociedades menores são mais flexíveis e acabam se mudando quando o conflito aparece”, disse o pesquisador à Folha. “Já as maiores conseguem armazenar mais comida, força de trabalho e tropas de reserva, criando estradas, infraestrutura complexa e exércitos para conquistar suas rivais”, explica.
*”ADVENTURES AMONG ANTS: A GLOBAL SAFARI WITH A CAST OF TRILLIONS”
AUTOR Mark Moffett
EDITORA University of California Press
QUANTO US$ 16,47
Skip to content