Escolha uma Página
Assunto não foi tratado durante encontro com Sarkozy
Andrei Netto e João Domingos
Sem os privilégios especiais, reservados aos chefes de Estado e de governo, a candidata do PT à presidência, Dilma Rousseff, encontrou-se na tarde desta quarta-feira,16, em Paris, com o presidente da França, Nicolas Sarkozy. No encontro, que teve cerca de 25 minutos de duração, ambos teriam discutido temas como crise econômica, meio ambiente e comércio, sem tocar na compra dos aviões de caça Rafale, avaliada em R$ 12 bilhões. Junto da candidata, estava o embaixador do Brasil em Paris, José Maurício Bustani, mas não o cinegrafista contratado para acompanhar os passos da petista em sua turnê de cinco dias pela Europa.
Às 17h, Dilma reuniu-se com Sarkozy no Palácio do Eliseu. A petista chegou em carro oficial da embaixada, acompanhada pelo embaixador do Brasil em Paris, José Maurício Bustani, e foi recebida pelo ministro das Relações Exteriores, Bernard Kouchner, e não pelo presidente – que pelo protocolo só vai à porta frontal do palácio para recebe chefes de Estado e de governo.
Sarkozy não se pronunciou ao fim do encontro, que teve cerca de 25 minutos de duração, limitando-se a posar para fotografias e abanar para a imprensa. Tampouco o Palácio do Eliseu divulgou nota sobre o conteúdo das discussões.
Segundo relato da petista, ambos conversaram sobre os interesses comerciais entre os dois países, a ação conjunta no G-20, e sobre meio ambiente e sobre a Parceria Estratégica Brasil-França. O último tema inclui a venda de material dos caças Rafale, um negócio avaliado em R$ 12 milhões. “Falamos sobretudo sobre o interesse da França pelo Brasil e também do Brasil pela França, já que a relação comercial entre os dois países é muito grande, com investimentos recíprocos”, afirmou.
Sobre o interesse da França em vender os caças Rafale ao Brasil, Dilma assegurou: “Não, este assunto não foi tratado”. Questionada se, caso eleita, teria a mesma preferência já manifestada por Lula pelas aeronaves francesas, a petista, já de saída, negou. “Não, não tenho nenhuma preferência.” Leia mais.
PODER AÉREO


Skip to content