Escolha uma Página

Ex-sargento homossexual pede impugnação de almirante e general para o STM
Fernando Alcântara de Figueiredo, ex-sargento do Exército, que pediu baixa depois de ter tornado pública uma relação amorosa com o também sargento Laci Araújo, pediu nesta terça-feira (9) ao presidente do Senado, José Sarney, a impugnação da indicação do general Raimundo Nonato Cerqueira Filho e do almirante Alvarez Luiz Pinto para ministros do Superior Tribunal Militar (STM).
Durante sabatina na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), o almirante disse nada ter contra a presença de homossexual nas Forças Armadas, desde que “ele [o militar homossexual] mantenha sua dignidade, a dignidade da farda, do cargo e do trabalho que executa”. O general afirmou, também na sabatina, que a vida militar se reveste de determinadas características que “podem não se ajustar” ao comportamento do homossexual – que, segundo ele, não consegue comandar tropas.
Como os processos contra os sargentos tramitam no STM – onde o general e o almirante atuarão caso sejam aprovados pelo Plenário do Senado -, Fernando Alcântara teme que, como julgadores, eles deixem sua postura “contaminar-se por crenças pessoais”. Em carta ao presidente do Senado, Fernando Alcântara, que se identifica como presidente do Instituto Ser de Direitos Humanos, afirma que os militares sabatinados pela CCJ “demonstraram postura anticonstitucional – discriminatória, injusta e arbitrária contra a dignidade humana”.
Fernando Alcântara baseou sua petição a Sarney em vários artigos do Código de Ética da Magistratura Nacional, um dos quais define o juiz imparcial como aquele que “evita todo tipo de comportamento que possa refletir favoritismo, predisposição ou preconceito”.

Da Redação / Agência Senado

Comento: Infelizmente, as Forças Armadas abrigam em seus quadros muitos militares desse “padrão”. E não estou falando de homossexuais e sim dos famosos “golpistas”. Sujeitos espertos que aproveitam-se de instrumentos que a própria instuição proporciona para obter benefícios, como a transferência  precoce para a reserva remunerada  ou reforma, por diversos motivos, geralmente alegando problemas de saúde.
A condição de homossexual desses dois lhes permitiu adquirir uma notoriedade nacional e alinhar a seu lado uma poderosíssima e incansável patrulha, com muita mídia a seu favor. O estardalhaço serviu para encobrir um crime de deserção e para desqualificar uma ação legal do Exército, a prisão em flagrante do sargento Laci, quando saía de um programa de TV transmitido em rede nacional.
O espertalhão ex-sargento Fernando segue surfando nas ondas da notoriedade midiática e tenta desde já condicionar o julgamento  de seu companheiro no STM. A mídia embarca nessa e, mais uma vez, pau nos milicos.
É, General Cerqueira, quem mandou ser sincero?
Skip to content