Escolha uma Página

Por pressão do Planalto, relatório da FAB não terá ranking de caças

Versão final de parecer a ser entregue para Jobim fica sem ‘hierarquização’ que indicava preferência pelo Gripen

Vera Rosa e Eugênia Lopes

Componentes.montarControleTexto(“ctrl_texto”)

BRASÍLIA
O relatório técnico que o Comando da Aeronáutica apresentará ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, com a avaliação dos modelos de caças para a renovação da frota da Força Aérea Brasileira (FAB), não vai conter uma “hierarquização” das propostas internacionais. A FAB iria recomendar o Gripen NG, da empresa sueca Saab, mas foi pressionada pelo governo e não entrará no mérito de qual a melhor opção para o projeto FX-2, que prevê a compra de 36 caças.
A versão final do relatório já havia sido “reexaminada”, para cortar do texto o ranking das propostas, quando o documento foi publicado pelo jornal Folha de S. Paulo. O novo texto deverá ser apresentado a Jobim na próxima semana. O vazamento foi interpretado pelo Palácio do Planalto como uma derradeira tentativa da Aeronáutica de constranger o presidente Luiz Inácio Lula da Silva a optar pelo caça sueco, o mais barato entre os três concorrentes.

ÚLTIMO LUGAR
Seria, na prática, a última cartada para desbancar a França. Motivo: Lula já manifestou diversas vezes sua preferência pelo caça francês Rafale, da empresa Dassault. Na versão preliminar do documento produzido pelo Comando da Aeronáutica, porém, o Rafale ficou em terceiro e último lugar, por ser considerado mais caro e com custo de operação mais alto. O modelo F-18 Super Hornet, da norte-americana Boeing, ocupava a segunda posição.
“Depois que foi apresentado esse primeiro balanço, foi tudo revisado”, disse ao Estado um importante auxiliar de Lula. Ele negou, porém, que o presidente ou mesmo Jobim tenham obrigado a FAB a mudar de posição. “A situação é muito complexa e os relatórios são técnicos. Não dá para comparar equipamentos diferentes assim, até porque um dos modelos ainda é um projeto”, completou o assessor do Planalto, numa referência ao Gripen.
Jobim está de férias e não quis comentar o assunto. Tanto ele como Lula, no entanto, ficaram extremamente contrariados com a divulgação das conclusões do documento da Aeronáutica.

DECISÃO POLÍTICA
Para o governo, essa polêmica já estava superada porque existe uma decisão política pró-Rafale. Esse compromisso foi explicitado durante visita ao Brasil do presidente da França, Nicolas Sarkozy, em setembro. Naquela ocasião, foi divulgado um comunicado conjunto no qual o Brasil sinalizava a intenção de comprar o avião francês. Em carta de próprio punho, Sarkozy se comprometeu a reduzir o preço do Rafale e a fazer uma “transferência irrestrita” de tecnologia na fabricação do caça.
Menos de um mês depois, porém, brigadeiros da Aeronáutica procuraram integrantes da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara. Disseram que o sueco Gripen seria o mais adequado para a renovação da frota da FAB pela relação custo-benefício. Não foi só: expuseram com todas as letras os pontos fracos da proposta francesa.
Pelos números apresentados à época, o custo de operação do Gripen seria de US$ 4,5 mil por hora/voo; o do F-18, de US$ 10 mil; e o do Rafale, US$ 16 mil.

“SAIA JUSTA”
“A decisão sobre a compra dos caças vai muito além dos preços”, afirmou o presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP). “O que está em jogo é se vale a pena ou não fortalecer a parceria com a França, que é estratégica para o Brasil. Eu avalio que sim.”
Para o deputado Raul Jungmann (PPS-PE), Lula ficaria numa “saia justa” se fosse mantido o relatório do Comando da Aeronáutica listando o Gripen como o melhor caça. “A hierarquização estreita muito a margem de manobra do presidente”, disse Jungmann, que comanda a Frente Parlamentar da Defesa Nacional. “Há espaço para a decisão política se aliar à solução técnica, sem criar problemas para o presidente.”
O ESTADO DE SÃO PAULO

Skip to content